quinta-feira, 30 de agosto de 2012

O NORDESTE, SEGUNDA-FEIRA, 7 DE JULHO DE 1952

MANOEL DE OLIVEIRA PAIVA (XX)
O poeta da abolição
J. PAIVA
JOÃO BRÍGIDO dos Santos (1829-1921),  foi 
historiador, jornalista, monarquista assumido.No entanto,
depois da Proclamação da República, tornou-se um
defensor do novo regime. (Fonte: Wikipédia).
Lamentavelmente, não disponho de foto antiga, do "ribeiro" Pajeú,
mais conhecido como Riacho Pajeú (publico fotos atuais). Há alguns
anos, a administração pública "batizou" essa praça de Parque Pajeú. 
O Parque Pajeú é bastante aprazível, com relação ao paisagismo 
mas, entanto, deixa muito a desejar quanto à preservação e higiene. 
Vê-se,na foto,  o quanto está degradado, com a poluição...
(Foto): blog Fortaleza em Fatos e Fotos)
Parque Cocó, por onde corre o Rio Cocó....(foto: google)
Foz do Rio Cocó,em Fortaleza. (Foto: Galeria Alex Uchoa - net)
Foz do Rio Cocó, em Fortaleza. (Foto: Galeria Alex Uchoa - net)
Foz do Rio Cocó, em Fortaleza. (Foto; Galeria Alex Uchoa - net)
Rio Cocó, em Fortaleza. (Foto; Galeria Alex Uchoa- net)
Foto mostrando o casario da ladeira que desce do planalto do, chamado outrora, 
Outeiro da Prainha até a antiga Praia do Peixe, hoje Praia de Iracema. (Arquivo Nirez)
Ladeira da Prainha, vindo da Igreja de N.S. da Conceição da
Prainha, localizada no planalto do Outeiro da Prainha....(nome
do antigo bairro de Fortaleza - Foto: Arquivo Nirez).
Vê-se na foto toda a extensão da Praça Cristo  Redentor, no planalto
do antigo Outeiro da Prainha, vendo-se, ao fundo, a Igreja de Nossa
Senhora da Conceição da Prainha....(Foto: Arquivo Nirez) 
Monumento ao Cristo Redendor, bem próximo à
Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha.
(Visite o blog, cujo site está impresso na foto acima, 
para maiores informações).
Esta foto me foi cedida, por e-mail, por Fátima Garcia, dona do
blog Fortaleza em Fotos e Fatos, cujas matérias retratam, com
 excelência, a Fortaleza de ontem e de hoje. Vê-se, na foto, o
Riacho Jacarecanga, aí denominado de Lago Jacarecanga....
Casarões do bairro Jacarecanga, que era considerado o
"bairro das elites"( intelectual e rica)de Fortaleza. Poso afirmar
que, realmente, haviam belas mansões, na década de 1950,
60, quando eu por lá andava....(Foto: Arquivo Nirez)

Casarão de Thomaz Pompeu Sobrinho, no bairro JACARECANGA
que foi restaurada e onde, atualmente, funciona a Escola de Artes e Ofícios
 Thomaz Pompeu Sobrinho, gerida pela Secretaria de Cultura do Estado do Ceará.
(Site:  Projeto  Patrimônio Para Todos).

Foto mostrando um poluído Riacho Jacarecanga.
(Imagem cedida, por e-mail, por Fátima Garcia, do
blog Fortaleza em Fotos e Fatos). 
Desenho mostrando a Igreja de Santana, no Rio de Janeiro, onde se
instalaria  o Jardim da Aclamação, depois Campo de Santana e ,
posteriormente, Praça da República, (mais conhecido por Campo
de Santana.  (Imagem: google). 
Postal com o belo Jardim (ou Parque) da Aclamação, no Rio. de Janeiro...
Foto atual do antigo Jardim da Aclamação, hoje Praça da República, que
 já foi Campo de Santana, e que, por este nome, é mais conhecido, no Rio...

O antigo JARDIM DA ACLAMAÇÃO,  ocupa uma imensa quadra, 
do lado da Av.Getúlio Vargas,fica em frente à Central. do Brasil, de onde
 chegam e partem os trens para a zona norte do Rio de Janeiro(Foto; google)
Joaquim Manoel de MACEDO (1820-1882) ,
que bem descreveu o Rio de Janeiro em seu mais
famoso romance "A Moreninha".... 
José de Alencar (1827 - Messejana- Ceará , 1877-
Rio de Janeiro) escritor, autor do romance IRACEMA...  
Era filho de José Martiniano de Alencar (foto abaixo).
(Fonte; Wikipédi) 
José Júlio Albuquerque Barros (1841, Sobral-CE-
1893, Rio de Janeiro), foi presidente da Província do
 Ceará de 1878 a 1880 e da Província do Rio Grande
do Sul de 1883 a 1885). Foi BARÃO DE SOBRAL.
 (Fonte: Wikipédia).




Uma particularidade :  João Brígido faz uma completa descrição do ribeiro Pajeú,que dividia a Fortaleza de 1810 em duas zonas distintas, a da margem direita, o planalto, conhecido por Outeiro da Prainha; e a do lado oposto, ocidental, os terrenos ligeiramente acidentados, onde se ergueu grande  parte da capital, até o ribeiro da Jacarecanga. Oliveira Paiva, que morara, em conta redonda, 7 anos no Rio, tão bem descrita por Macêdo, na esplêndida maturidade do Segundo Império, e por este mais e melhor romanceado do qe por Alencar, voltava a adorar os penates e portanto escrevia:
      
       "Por entre os coqueirais do Pajeú
                    Já penetrava o sol.
        As cunhãs com as cuias de bejú,
       As velhas rezadeiras de lençol,
       Os matutos co'as cargas de farinha,
       Vendedores da Feira, os da geninha
       - Corrução da gostosa gengibirra -
       Na hora em que se acorda e que se espirra
       Saindo ao ar da frígida manhã.
                    Transitavam na rua:
                    Como transita a lua
       Entre as nuvens do céu linda e louçã.

       Onde foi que o Jardim da Aclamação,
                    No Rio de Janeiro,
       Pôde mais comover o coração
       - Apesar de cheirar muito a dinheiro -
       Que o nosso majestoso Pajeú?
       Onde contrasta a gia, o cururu,
       Com o vem-vem, o canário e a patativa!

Era, não há dúvida, uma nota de saudade do tempo anterior ao Seminário, quando, chegados ao Outeiro, todos da Família Paiva de Oliveira, que o eu tio Manoel mudou logo para Oliveira Paiva ao voltar da Escola Militar, num ano de bom inverno, banhavam-se nas águas do Pajeú, ex-Marajaitiba, Ipojuca e Telha, que vinha dos lados do Cocó até a represa ou açude feita em 1836 (Senador Alencar) e reconstruída em 1878 (José Júlio)Campus ubi Troja fuit...e eu também por alí fui nado e criado, ouvindo o coaxar sinfônico dos batráquios e um rasto de cantar melodioso dos pássaros, apesar da baladeiras dos meninos do fim do século.

Vamos limitar este capítulo a um círculo de cerca de dois anos : 1883 - 1884, pois a Abolição no Ceará teve seu complemento ruidoso a 25 de Março, quando Manoel de Oliveira Paiva publicou outro poemeto que não possuo. Segundo José dos Santos (Miguel Linco, da Padaria Espiritual), em 1884, ele ao lado de João Cordeiro, Antônio Bezerra, João Lopes, Antônio Martins e outros, "trabalhava empenhadamente em prol da liberdade do escravo", e Araripe Júnior, em um artigo Um romancista do Norte, observava( no jornal Tempo, do Rio) que "nesse tumulto de entusiasmo, Oliveira Paiva extenuou-se em discursos e versos".

No grupo dos fundadores da "Sociedade Libertadora Cearense", a 8 de dezembro de 1880, impresso à página 7 do Boletim nº 3, de 21 de fevereiro de 1941, do Instituto do Ceará, 1º Centenário de Nascimento de excelso historiógrafo Antônio Bezerra, Manoel de Oliveira aparece ao lado das inolvidáveis figuras  do mesmo Antônio Bezerra e de Isaac Amaral,Papi Júnior, William John Ayres, Abel Garcia, João Cordeiro, Francisco do Nascimento (Dragão do Mar), Alfredo Salgado, João Lopes,, José do Amaral e Antônio Martins. Não sabemos, por falta de dados completos, qual a posição oficial de Oliveira Paiva nesse movimento, mas o que nos parece é que naquele conjunto um pouco ampliado no número de pessoas, ele surge como uma necessidade indispensável de vincular no heróico movimento sua onimoda participação, sacrificando, à causa, grande parte de sua energia que se esgotavam já aos poucos, como veremos pelos seus restantes anos de vida...

Por J. Paiva
...continua...


()()()()()()

NOTAS:
1- Desde o Capítulo I temos mantido a forma ortográfica de como foi escrito o texto original de J. Paiva, em 1952;

2- Trazemos, desde o primeiro capítulo, muitas imagens  para que o leitor,tenha uma "visão" anterior a da descrição do texto biográfico, e para que haja uma melhor "compreensão"  da época;

3- A foto do grupo da SOCIEDADE LIBERTADORA CEARENSE,
citada no capítulo de hoje, foi publicada na postagem do Capítulo XVIII, de duas semanas atrás;


4- Os três próximos capítulos trarão, como sub-título, "O assalto da idéias". Aguardo você, sempre!

()()()()()()

Em uma semana, estarei de volta. Um abraço!


87 comentários:

  1. Lúcia, admiro o resgate histórico que você faz em suas pesquisas, com textos e fotos do "antes e do agora"... Destaco a beleza plástica das fotos, mas também a "poluição do rio"... o homem, esse ser tido racional, degrada a natureza em detrimento de sua própria vida! Até quando?
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Célia. Certamente, se deve ao grande amor que sinto por minha cidade e pela minha gente. Este amor vem de longe e só cresce, com o passar do tempo. Faço esse confronto do "antes e do agora" para mostrar as transformações ocorridas...Quanto à degradação do ambiente, é tudo tão lamentável!!!

      Beijos, amiga!

      Excluir
  2. Lúcia, essas fotos comparativas são muito interessantes. E aquelas do Rio Cocó me trouxeram muita saudade de Fortaleza.
    Que coincidência, minha filha está fazendo veterinária, só q ela está no 2º ano. Muita paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, que você gostou, Denise, e sentiu saudade de Fortaleza. Obrigada! Pois é, boa coincidência, termos filhos nesta área tão bela, que é veterinária!
      Muita paz, minha querida!

      Excluir
  3. Concordo integralmente com Célia Rangel, admirável o resgate histórico que vc faz, um trabalho muito lindo e necessário nesse Brasil de Deus, tiro o meu chapéu amiga, a qualidade das fotos e o texto sério e ao mesmo tempo familiarizado com essas riquezas que temos que de tão esquecidas muitas vezes se extinguem, parabéns, Lucinha. votos de um dia feliz e também feliz final de semana. bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Eva. Esse resgate, muito me faz feliz. Considero importante, passarmos às novas gerações, esse acervo histórico tão rico. Não devemos deixar se extinguir.

      Tenha um feliz final de semana.
      Carinhoso beijo,
      da Lúcia

      Excluir
  4. Querida amiga

    Peço desculpas pela minha ausência, mas não é por esquecimento, mas sim por conta de meu novo projeto, o qual me está retirando muito tempo.

    Ser esposa, mãe, amiga, dona de casa, e ainda aprendiz de escritora, não é tarefa muito fácil, requer de nós um grande equilíbrio.

    Queria muito agradecer por sua presença amiga lá no meu cantinho, presença que me alegra por demais meu coração e minha vida! Muito Obrigada!

    Me perdoe por alguma coisa.

    Um lindo dia para você.

    Abraço amigo

    Maria Alice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei muito bem, o pouco tempo que nos resta, quando estamos envolvidas com projetos e os afazeres domésticos. Nada há o que desculpar, Maria Alice.

      Um lindo final de semana e um afetuoso abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  5. Lùcia que fotos encantadoras! Fortaleza é uma belíssima cidade e que pena que as autoridades basileiras destinam tanto descaso à conservação dos espaços públicos, como no caso do Parque Pajeú né?
    Muito importante tbém foram as belas biografias que li no teu post.
    Valeu vim te ver!!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que tenho tido "sorte" de encontrar muitas fotos que correspondem ao texto com o qual estou "trabalhando". Por se tratar de um texto biográfico,de cearense, a historiografia é rica em informações e imagens, tanto antigas quanto atuais.
      Quanto ao "descaso", é mesmo a "nota triste" do enredo.

      Obrigada, por ter vindo Carla.
      Beijos!

      Excluir
  6. Lúcia,
    As fotos são bonitas, alguns dos lugares paradisíacos. Quanto à biografia (também sou professot de História) não a acompanhei de início o que se torna dificil de comentar. Bo Brasil conheço melhor a História até 1822.....como deves compreender.
    Mas vou fazer umas pesquisas para me enquadrar melhor e não dar nenhum pontapé na gramática!!!

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, JP.
      Vi, lá no blog, que você é professor de História. Eu, no entanto sou amadora de História e me enveredo por ela, "respirando-a" à toda hora.Sou professora de Didática e disciplinas afins (para futuros professores), mas não sou formada em História.
      Quanto a esta biografia, para ler desde o início, recue nas postagens, desde o capítulo I...

      Beijo

      Excluir
  7. Oi,Lúcia,sua cadeirinha de arruar merece mesmo todo o respeito! Que trabalho sério você desenvolve em seu blog! praticamente embarquei em sua liteira e aproveitei a oportunidade de visitar postagens anteriores...eis que de repente me vi de volta ao passado,especialmente na época de minha infância quando visitei a série com letras de músicas que sua mãe gostava de cantar.Pois eram as mesmas que meu pai também cantava acompanhado do violão, quase todas as noites em seu lazer.A casa branca da serra era uma de suas favoritas e a casinha da colina também.A da boneca ouvia sempre minha mãe cantar e faz tempo que eu queria encontrar a letra.A do jangadeiro também era um hit familiar especialmente de minha tia Tereza, tia muito estimada.Imagine, você encontrar o seu passado voltando com tanta vida dentro do seu coração,isso lá pelas onze horas da noite! Obrigada e um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanta honra, você me concede!...não devo dizer que me sinto lisonjeada, por que sei que o seu elogio é extremamente sincero, minha amiga. Abri esse espaço, com o propósito que registrei à "porta de entrada". Aqui e acolá, publico algo distante dele, pelas circunstâncias do momento. As canções, ou modinhas, que meu pai e minha mãe cantavam, me acompanham sempre. Minha sobrinha gravou as "prediletas" da Dona Mazé e pretendo que ela grave, em CD as que Seo Paivinha mais gostava.
      Que bacana, constatar tantas afinidades entre nós duas. Fico feliz, Guaraciaba...
      Obrigada, carinhoso abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  8. Oi, Lúcia! Fotos atuais também valem. Todas me interessam muito. Estou encantada com o prédio da Escola de Artes e Ofícios. Ah, se eu soubesse desenhar! Faria uma porção de quadros com variações dele. Volto pra ver a próxima postagem com a continuação da história. Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto muito das P&B mas, o colorido das atuais destacam bem as mudanças. Claro, também valem. Esta casa sofreu algumas alterações, quando foi restaurada.É muito linda e lá, nas oficinas da EAO TPS, ensina-se (e se aprende) a restaurar patrimônios materiais...É uma maravilha!
      Fico a imaginar, o que você faria,Carla. Aliás, poderá fazer...
      Volte sempre! Beijo!

      Excluir
  9. Admirar, aprender e desejar um excelente fim de semana:)!

    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre um grande prazer, ler seu comentário, Lins,
      um feliz final de semana. Meu beijo!

      Excluir
  10. passar por aqui é sempre um banho de cultura
    beijinhos

    ResponderExcluir
  11. As imagens mostra um cenário encantador, penas que algumas mostra o descuido da população e o descaso das autoridades. É bom ver a nossa história sendo resgatada por vc, Lúcia. Bjos e um bom finde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Eder, ainda podemos mostrar belos cenários, antigos e atuais mas, alguns locais nos causam muita
      pena, pela falta de zelo, tanto das administrações como
      da população. Faço o resgate e, quando possível, denuncio o que não é o melhor.
      Bom final de semana. Beijos!

      Excluir
  12. Que fotos lindas Lúcia, você mesclou passado e futuro e ficou um post encantador.
    Adore aprender mais um pouco.
    bjks doces e bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os temas que abordo, estão me dando essa oportunidade de mesclar o antigo com o novo, nas imagens.Apesento as imagens, com legendas e depois "solto" o texto.Pare que vem dando bom resultado estético...rsrs
      Um beijo querida Marly, bom final de seamana e, obrigada!

      Excluir
  13. Sempre falo a mesma coisa quando venho aqui: é muita história! As fotos são importatíssima para a reconstrução da história. Um acervo e tanto como já falei da outra vez.
    Querida, um abraço carinhoso e que teu fim de semana seja maravilhoso!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Marizete, minhas últimas postagens segue com uma narração comum - texto biográfico, antecedido por imagens - e assim, quem aprecia, certamente tende a se repetir, o teor do comentário. Só tenho a agradecer.
      Beijo, querida, bom fim de semana!

      Excluir
  14. O seu. Blog é pura cultura! Adoro vir aqui te ler!

    Bjs

    Leila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu adoro recebê-la, querida Leila.
      Volte sempre.
      Beijinhos,
      Da Lúcia

      Excluir
  15. hello, visit here with smile
    ^_^
    visit me back please
    I love your blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, pela visita.
      Irei lá, visitá-lo Penghuni 60

      Excluir

  16. Mina amiga Lúcia

    Rio de paisagens maravilhosas e de nome tão peculiar:Rio Cocó.Obrigada pelas fotos, mesmo da actualidade, não faz mal, dá-nos uma ideia do espaço de que trata esta biografia.

    Já deve ter explicado, em postagens anteriores, o motivo por que o nosso biografado mudou os apelidos 'Paiva de Oliveira' para 'Oliveira Paiva', mas não tenho isso presente. Mais um assomo de curiosidade da minha parte...

    Há pessoas assim, mesmo sem grandes forças físicas gastam a que lhes resta, somada à sua inspiração e visão intelectual em grandes causas. Penso que é este o caso de Manoel de Oliveira Paiva. E que causa! Uma causa que mudou completamente a face do mundo.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olinda, querida amiga, trago fotos de ontem e de hoje, conforme encontro ou não. As antigas,obvio, são mais raras e difíceis de encontrar...
      O topônimo Cocó é o plural de Có, que significa roça, fazendo uma alusão às "roças" dos povos indígenas que plantavam nas vazantes do (tal)rio.

      Quanto à inversão o 'Paiva Oliveira' para 'Oliveira Paiva" é porque tanto fazia, pelo casamento de tio com sobrinha, naquela geração. Ele próprio, Manoel, casou-se com uma sobrinha e a irmã dele, minha avó Rosa casou-se com um tio. Assim, pela "sonoridade", o poeta achou por bem inverter os sobre-nomes,para 'Oliveira Piva' que vem se mantendo assim, desde então...Portanto, passou a ser um sobrenome "composto".

      Muitos dos contemporâneos de Manoel Paiva,passaram por momentos semelhantes, na luta por grandes causas. São admiráveis!

      Obrigada, Olinda, beijinhos!
      Lúcia

      Excluir
  17. As fotos do rio são uma maravilha! Bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito lindas mesmo, Elsabete. Obrigada, querida.
      Bom final de semana. Beijos!

      Excluir
  18. Boa noite Lúcia, que prazer observar suas fotografias, gosto muito de saber do passado para tentar entender meu presente. obrigada.

    um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O prazer também é meu, Elizabeth, por tê-la aqui, a comentar esta postagem. Volte sempre.
      Um abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  19. Que bom voltar para esta cadeirinha e ler e ouvir e sorrir e deslumbrar com esta recordações fantásticas!
    E as fotos querida Lúcia, estão de tal forma bem inseridas que nos remetem para um tempo onde nos sentimos como que fazendo parte dele.Além da beleza!
    Belíssimo como sempre.
    Grande abraço, minha querida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Manu, fico feliz, co sua vinda e o seu entusiasmo, muito obrigada, minha amiga! Busco imagens que correspondam às citações do texto biográfico, com um pouco mais de informação.

      Meu carinho, num braço!

      Excluir
  20. Lucia
    A gente se perde imaginando os lugares novos e antigos.
    A gente fica encantada com a história dos nossos antepassados e de como cada um contribuiu com alguma coisa pra mostrar pra que existiu. O Rio, que pena poluido.
    Mas as nossas lembranças as que nos mostrou estao ricas de detalhes históricos.
    com amizade Monica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro, me perder nesse universo de lembranças, Moniquinha. Trazer à tona esses fatos e imagens, é um imenso prazer.
      Um forte abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  21. O trabalho de resgate é uma forma de amor que colocas, mostras e nos trazes aqui . Lindas fotos!! Belo mais uma vez. beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Considero mesmo muito importante o resgate de fatos e imagens de nossa história, chica. Obrigada, amiga.
      Beijinhos,
      da Lúcia

      Excluir
  22. Não tenho acompanhado este desfilar da história, mas é sempre tão gratificante vir aqui!

    Beijo

    Laura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura querida, muito obrigada, venha apreciar o "desfilar da história", quando for possível.
      Beijo,
      da Lúcia

      Excluir
  23. Querida amiga

    Tudo tão lindo.
    Um retorno a nossa história,
    e uma surpresa aprendendo
    sobre o seu passado
    (Eu que também sou de Fortaleza).

    Obrigado por mais este presente.

    Que haja sempre em ti,
    o olhar da alegria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu conterrâneo, colega de magistério e grande poeta, Aluisio. Fico feliz, com a sua visita tão carinhosa.
      Tudo de bom pra você.
      Forte abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  24. Destaco a degradação do rio, construções mesmo até ao limite da areia, depois, ouvimos falar de catástrofes. O homem sempre procurou viver junto da água mas cometem-se erros contra a natureza.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostaria de só mostrar as belezas e tudo bem preservado.
      É lamentável o que se contata, em tão pouco tempo, em degradação. Sua observação está perfeita, Rui. É lamentável o que o próprio homem faz com o seu ambiente.
      Obrigada, por ter vindo...
      Um abraço

      Excluir
  25. Adoro fotos antigas e confesso que seu blog é um paraíso pra mim. É triste, no entanto, ver lugares antes fantásticos, hoje degradados e destruídos pela mão do homem.
    Sempre que posso passo para ver as novidades.
    Tenha uma ótima semana.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gilberto, muito bom você aqui. A sua opinião muito me agrada. Poderia ser bem diferente, se toda a gente amasse a sua cidade e a preservasse em tudo...
      Vou já ler as suas histórias, que adoro!
      Abraço, amigo!

      Excluir
  26. Acompanhando seus registros,aprendo,recordo e tento gravar também na minha memória esse pedaço da nossa história do Ceará.Que bom que te encontrei nesse ambiente virtual!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bergilde querida, eu sei o que é estar longe de sua terra. Sentia isso quando fiquei longe um bom tempo. Imagino você, em outro país, tão distante.
      Digo o mesmo, por tê-la encontrado na rede...virtual!
      Beijos

      Excluir
  27. Tão linda a Praça!

    Mas as fotos antigas são um deleite!


    Beijo Professora querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Margoh, minha linda aluna, obrigada pelo carinho.
      Beijinhos, querida,
      da Lúcia

      Excluir
  28. O passado e o presente... fotos maravilhosas!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto de comparar os dois e pensar no futuro...
      Obrigada, Rui, um abraço!

      Excluir
  29. Fico, sempre, fascinado com os momentos que aqui nos deixa.
    Belo trabalho de pesquisa e magnifico deambular pelos caminhos da história desse povo.
    Por vezes tenho dificuldade, pois como compreende, temos a mesma raiz mas a história é diferente.
    Adoro ler e tentar compreender todas as odisseias e momentos de um passado que nos enriquece.
    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei bem que você gosta, Manuel, pelo que leio no seu espaço. Gosto de pesquisar o passado, trazendo para compartilhar...
      Temos muito de semelhante, pela raiz, mas cada um com a sua identidade. Obrigada, amigo, por vir com tão agradáveis comentários.
      Beijos!

      Excluir

  30. Olá Lúcia,

    Maravilha de postagem! Seu trabalho é incrível. As imagens
    encantam. É um prazer acompanhar esta rica história.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida, obrigada pelo carinho.
      Fico feliz, com os seus comentários.
      Um afetuoso beijo, Verinha!

      Excluir
  31. Quando vemos as paisagens do ontem lamentamos que o chamado, progresso tenha provocado tanta destruição. Esse trabalho que realiza, mantendo forma de escrita e ilustrando tudo é rico.Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Marilene, em alguns aspectos o chamado progresso é muito bem vindo. Quando se trata de destruir o nosso patrimônio, nossos mananciais era preferível que tudo estacionasse... Obrigada, um beijo!

      Excluir
  32. Muito bom vir aqui: imagen e texto preciosos. Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida,Blue Shell, bom demais,
      você aqui, com o seu carinhoso cometário.
      Beijinhos!

      Excluir
  33. Gosto de ler esta histórias dos nossos antepassados. A vida não lhes foi fácil mas eles tiveram um sonho e construíram um projecto.

    As fotos são lindíssimas
    Tive uma vontade louca de viajar até à foz desse rio Cocó. Parece parte de um paraíso perdido neste mundo que habitamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, a vida não lhes foi fácil, daí a admiração e valor atribuídos a eles.
      Faço a seleção de imagens, com o critério do carinho que sinto, pelo povo e pela terra que me serviu de berço.
      Esta região, em Fortaleza, é das mais belas. Venha cá, Luis!...é mesmo, parte do paraíso...

      Um abraço

      Excluir
  34. Ora aqui está uma maneira divertida e didáctica para eu ir conhecendo um pouco mais da História do Brasil, e as cidades que ainda não conheço - Fortaleza é uma delas!
    Obrigada pela tua visita ao meu blog - continuarei a vir ao teu, aprender!
    Abraço deste lado do oceano:)))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A didática, se deve ao fato de eu ser professora.Dá pra se notar. Esta forma, de antecipar um pouco do que vem depois, faz parte do ofício e, parece que tem agradado.

      Obrigada, Justine,olte sempre!Um abraço à brasileira e um Xêro cearense...,
      da lúcia

      Excluir
  35. Minha amiga o seu trabalho é sempre perfeito.
    Lindissimas fotografias.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, minha linda amiga Maria.
      Muitos beijos,
      da Lúcia

      Excluir
  36. Fortaleza é realmente linda......
    Quanta recordação.....que história...!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho, também, Andrade!
      Recordar histórias e do que mais gosto, amigo.
      Beijo

      Excluir
    2. Eu acho, também, Andrade!
      Recordar histórias e do que mais gosto, amigo.
      Beijo

      Excluir
  37. Esse seu blog é um arquivo precioso!
    Adorei o Rio Cocó!!! Recebi por email um 'pps' de Fortaleza, que lindo!!!

    beijos pra você
    Tais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Taís, e o preservo com imenso carinho.
      Que boa notícia...obrigada, querida.
      Beijinhos,
      da Lúcia

      Excluir
  38. Eu, Amiga, continuo a beber do manancial que vais fazendo brotar.
    Comove-me (e não faço parte do que Historias) ao relembrar factos semelhantes, que eram quase generalizados por aqueles tempos, mesmo que em outros lugares.
    Parabéns pelo teu contributo Documental.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que felicidade, vê-lo aqui, apreciando essa história que, em muito se assemelha com a portuguesa. Tão distante e com tantas semelhanças, esses fatos que aqui trago. Obrigada, SOL, pelo carinho!
      Beijos,
      da Lúcia

      Excluir
  39. Lúcia....!!!!
    Que belas fotos.....!!!!!
    Quer as antigas quer as modernas...., extraordinárias...!!!
    Mais uma vez algumas delas trouxeram-me boas recordações de quando estive em Fortaleza....

    Um abraço
    Albertina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Albertina.
      Obrigada, por estar sempre a apreciar o que venho compartilhando. É interessante, seu comentário,tendo você conhecido Fortaleza. O olhar, é de reconhecimento, também.
      Um abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  40. deixo um abraço!


    ...e ainda tenho muito que ler por aqui :))

    beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Manuela.
      Volte sempre...um beijo,
      da Lúcia

      Excluir
  41. Oii Lucia, Imagens lindas de Fortaleza, uma aula de história, obrigado pela visita! Abraçosss

    ResponderExcluir
  42. Um movimento que sacudiu a sociedade e os escrtores com suas importantes parcelass.Gostei destas ilutrações Fortaleza/Rio.Quro ver se vou ao blog de sua colega que cedeu fotos,gostei do titulo do blog.
    Um abração minha amiga.
    Que a memoria seja nossa forma de ver a historia e passa-la a frente.
    Até a proxima.
    Gosto daqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Análise perfeita, Toninho. Vou ilustrando de acordo com as citações do texto biográfico que venho publicando em capítulos. Antecipo, com as imagens, numa visão geral...
      O Fortaleza em Fatos e Fotos é excelente.
      Obrigada, amigo! Essa é a melhor maneira de conpartilhar a nossa história.

      Volte sempre, um abraço!

      Excluir