quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O NORDESTE, SEXTA-FEIRA, 4 DE JULHO DE 1952

MANOEL DE OLIVEIRA PAIVA (XVIII)
O poeta da abolição
J. Paiva



Alunos da Escola Militar, na década de 1870, junto ao Morro da
Urca, na Praia Vermelha, Rio de Janeiro. Na Escola Militar do
Rio de Janeiro, nesta década, estudou Manoel de Oliveira Paiva.
Estaria ele entre os da foto?....não se sabe!!! É possível, ele lá
permaneceu, na Escola Mliatar, de 1875 a 1883).
(Foto: site:Bicentenario da AMAN).
Manoel de Oliveira Paiva, em seu uiforme de Cadete,
como aluno da Escola Militar do Rio de Jaeiro.
(Foto: Arquivo Lúcia Paiva).
Escritor e crítico Calos Maul (1887-1974), nasceu em
Petrpopolis (RJ), foi redador do Correio da Manhã,
membro atuante da Sociedade Brasileira de Geografia
e Filosofia ...autor, dentre outros ,de  "O Exercito e a
Nacionalidade. ( Fonte:Blog A REVOLUÇÃO ACONTECE)
"O Exército e a Ncionalidade" de Carlos Maúl.
(Imagem: mercado livre- google)
                               
Duque de Caxias (Wikipédia)
Dom Pedro II (Wikipédia)
Conde D'Eu (Wikipédia).
Princesa Isabel (Wikipédia).
SOCIEDADE LIBERTADORA - em pé: Isaac Amaral, Papi Junior,
William Ayres, João Cordeiro, Antônio Bezerra, Dragão do Mar,
Alfredo Salgado; sentados:  OLIVEIRA PAIVA,  João Lopes,
José Amaral, e Antônio Martins. (Arquivo Nirez).
Jornal "Libertador", publicado no dia 25 de março de 1884 pela
Sociedade Libertadora Cearense, em homenagem à libertação
total dos escravos do Ceará.  Fonte::Wikimedia Commons)
":Anos antes da Proclamação da República, notabilizou-se
a capanha abolicionista no Ceará, que logrou abolir a escravidão
no estado a 25 de março de 1884, quatro anos antes da "Lei Áurea".
(Fonte: Wikipédia)
"Ceará, Terra da Luz, Berço da Liberdade" ...José do Patrocínio.
Assim chamado, "TERRA DA LUZ", por ter sido o pioneino, na
LIBERTAÇÃO DO ESCRAVOS... (Imagem: google)...





Vale a pena colocar, como roteiro desta nova fase da curta mas movientada vida de meu tio, acima de tudo tão dolorosa, o que escrevia Antônio Sales logo após a sua sentida morte, na citada poliatéia. Primeiramente destaquemos sua  atitude, em 1883, quando voltara definitivamente do Rio de Janeiro, abandonando os estudos militares por força da insidiosa moléstia, depois de ter, sete anos antes, saído, por um lamentável incidente, do Seminário do Crato: a plena adesão à causa da libertação dos escravos, que no Ceará foi guindada à categoria de uma epopéia.
"A esse tempo, comentava o insigne escritor, a campanha abolicionista estava no auge da intensidade, e ele, que vinha em busca de saúde, que lhe podiam dar o ar e o sossego do campo, empenhou-se na luta de corpo e alma, pondo a sua palavra e a sua pena a serviço da propaganda libertadora, com sua tenacidade feliz de evangelista, dissipado alegremente a seiva do seu organismo  que a tuberculose começava a roer..."
Da Escola Militar ficara em seu espírito uma característica do soldado brasileiro que, em sua obra, "O Exército e a Nacionalidade", Carlos Maúl considera até mesmo como um traço fisionômico do que poderíamos chamar de "antimilitarismo dos exércitos americanos" : "Se lhe ordenam que se mobilize para a detenção dos negros fugidos do cativeiro, ele recusa essa tarefa de "capitão do mato" e adverte aos que  lhe querem impor tal atividade que o papel de janízaro ou de pretoriano é incompatível com a sua missão de sentinela vançada do Brasil. Foi, evidentemente, esse cruzar de braços do Exército o gesto mais influente na liquidação da escravatura de que se nutria a nossa errada política econômica e dele nasceram novos itinerários ao trabalho dignificante e livre".

Caxias, o Patrono do Exército Brasileiro, o Soldado Perfeito, o Santo da Pátria, o máximo e decisivo dirimidor das lutas externas e internas, é o guerreiro que "ás vezes recolhe o elmo, despoja-se de ferros da armadura e atende à política que o chama ao Ministério. E, na paz como na guerras, é o mesmo varão excelso com o pensamento nos interesses supremos da Pátria, embora a investidura lhe venha apenas de um partido a cujas contigências humanas não seria mais do que humana a sua subordinação". O Imperador temia que o Tesouro ficasse descalço "tanto põem e tiram a sapata desta arma", como certa vez dissera a um ministro. E o Conde D'Eu, Soldado do Brasil, influenciava "sobre a esposa em matéria de questões nacionais, ao tocar um ponto singular e sempre com intenção benéfica".

Manoel de Oliveira Paiva trouxera da Alta Caserna não  somente o amor às causas humanitárias como também a paixão sôfrega pelas Letras, nas quais se iniciara colaborando na imprensa da Escola Militar, fora aprender a empunhar com técnica perfeita as armas da defesa da Pátria, mas, premido pela moléstia apenas lhe ficara na mão a pena, esta arma soberanamente humana que vinha ensaiando suas porfiadas lutas pela idéia generosa de, na revisão respeitosa do passado, glorificam, em qualquer nacionalidade, anticlericais e  ultramontanos.
Ia entrar na na liça da pena, como cavaleiro do pensamento mergulhado na fonte perene do Cristianismo ao serviço da redenção dos filhos da África. Não havia chrorado sua pobre mãe ao vender o pretinho Anselmo, filho como sua irmã e minha inesquecível Madrinha Paula, a "Negra Cassiana lá de Sobral",como era conhecida por sua popularidade na fazenda "Três Lagoas"? 
A vovó, com a seriedade que lhe impunha à própria consciência, chegara a consultar antes da triste transação, seu confessor...
Por J. Paiva
...continua...




()()()()()()()()

NOTAS:

1- Como venho procedendo, desde o capítulo I desse texto biográfico de J. Paiva, a ortografia original da época em que foi
escrito, 1952, foi mantida, nesta publicação;

2- Venho também apresentando uma série de imagens, antes do
texto, com o único intuito  de ilustrar o espaço, mostrando um pouco do que é citado na biografia de Oliveira Paiva, quanto à pessoas, lugares, fatos...;

3- Os dois próximos capítulos terão também o sub-título,  "O poeta da abolição". 




()()()()()()

Volto, em uma semana.........um forte abraço!

71 comentários:

  1. Gostei de te ler..
    o verde é cor para tbm ser...cantada.

    PRADO VERDE

    Como o prado é verde...
    Verde com salpicos aqui e ali...

    Mas o todo é sempre verde...
    E o olhar corre toda a extensão...
    E fico a ver o verde o tal verde...
    Que nos dá liberdade...
    Que nos mostra esperança...
    Que nos deixa que o infinito seja verde
    E deixa que os olhos continuem...
    A olhar e continuem a amar!...

    LILI LARANJO


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, LILI, que bela poesia,
      lembrei-me de "Verde, que te quero verde.
      Um abraço!

      Excluir
  2. Ótimo te visitar,ler e aprender.Obrigada!!!

    ABRAÇO CARINHOSO E FRATERNAL ...

    GIOVANA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Giovana!
      Obrigada, pelo carinho.
      Forte abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  3. Lucia,

    È sempre bom ler história como essa...adorei.

    Agradeço a visita, venha sempre será um prazer ter vc sempre por perto...quanto ao pavê depois que fizer nos conte como foi a aceitação.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida.
      Não encontrei morangos.
      Quando aparecerem, farei o pavê.
      Adorei a receita. Muito simples...
      Beijinhos, Rô.

      Excluir
  4. This is an excellent history,
    I really like this post
    yes ... although I do not know this history, but can add information and knowledge is good for me

    Thank you my friend
    best wishes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta é, em parte, a história de minha família,
      de minha gente. Pessoas de outras terras, também
      tem interesse em tomar conhecimento. Agradeço,
      seu comentário. Gostei muito do seu blog, também.
      Obrigada, amigo.
      Um abraço

      Excluir
  5. Belo trabalho....
    Bom fim semana
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Andrade, venha sempre.
      Bom final de semana.
      Beijo

      Excluir
  6. Mais uma pesquisa linda,fotos, imagens interessantes. beijos,ótimo fds e até a próxima!!chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minhas pesquisas são constantes e gosto de ilustrar com imagens, parecem mais vivas...
      Um beijo, chica querida!

      Excluir
  7. Tão triste nasceu hoje o Verão
    Tão agreste sopra este colérico vento
    Tão molhada está esta verde terra
    Tão cinza está um coração em desalento

    Mentem os que disserem que perdi a Lua
    Os que profetizaram o meu futuro de luz
    Mentem os que acharam que não me visto de sentimento
    Os que acham que apenas a mentira seduz

    Acolhi no olhar todas as coléricas vagas que alcancei
    Abracei uma roseira e senti o golpe dos espinhos
    Senti o aroma errante das hortênsias
    Numa viagem por sete caminhos

    Bom fim de semana

    Doce beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, por trazer sempre uma bela poesia.
      Bom final de semana, Profeta.
      Carinhoso beijo

      Excluir
  8. Muito bonito de se lêr, aliás como sempre......!!!
    Bastante interessante também porque uma boa parte deste "eisódio" abrange o problema da escravtura no Brasil e a sua abolição...
    Ler os seus post's Lúcia é como se etivéssemos a aprender, com profundidade e minuciosamente, a HISTÓRIA DO BRASIL....
    Adorei...
    Um abraço Lucia
    Tenha uma boa semana....
    Amanhã, se Deus quiser, vou de férias e estarei ausente durante 8 dias..., mas quando regressar virei ver o episódio que se segue.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Albertina.
      O Ceará, como aí mostramos, muito contribuiu na abolição da escravatura. Nesta foto da Sociedade Libertadora, estão os que mais lutaram por esse impotante feito. A historiografia do nosso estado,é parte integrante da História do Brasil.
      Tenha uma boa semana de férias, Albertina.
      Espero você. Um abraço.

      Excluir
  9. Que bom que a história continua, Lúcia! Um tio desses é motivo de orgulho mais que justificado. As imagens deixam o post ainda melhor.
    Quanto ao vídeo da Písqui, pode compartilhar à vontade. Nós ficamos contentes ao saber que você aprovou nosso "método".
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre compartilhos suas postagens, no FB, Carla Ceres. O vídeo da Pisqui, está excelente. Nota mil, para o método. Beijos!

      Excluir
  10. OI LUCIA!
    INTERESSANTE,NÃO SABIA QUE O CEARÁ HAVIA SE ANTECIPADO Á "LEI ÁUREA".
    COMO SEMPRE GOSTO MUITO DE LER TUAS POSTAGENS E APRENDER MAIS COM ELAS SOBRE NOSSA HISTÓRIA.
    ABÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A historiografia cearense, assim registra. Foi em um muncípio a 50 kms. de Fortaleza, hoje chamado Redenção, que se antecedeu à Lei Áurea, em 5 anos, na libertação dos escravos.
      Obrigada, Lani. Um abraço!

      Excluir
  11. ola, vi o seu blog no perfil de outra pessoa e decidi visitar para conhecer seu espaço, adorei imenso.. voce não quer vir visitar meus poemas?? http://assombrado-mc.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. ♡¸.°.¸♫♫♪

    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    Brasil
    ♡彡♫♪°.¸.•°`

    ResponderExcluir
  13. "Êita" povo arretado, esse povo do Ceará! Pioneiro num gesto iluminado, a abolição dos escravos (ou "escravizados", como prefere J. Paiva).

    Um Xêro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Arretado", sim, amiga Estela, vê-se em cada gesto, nas lutas, nas letras...É aquela "velha história" do "orgulho-me de ser cearense", com bairrismo e tudo...Há quem reinvindique o pioneirismo da abolição dos "escravizados", (no dizer do meu pai). Obrigada, por estar sempre presente à Cadeirinha, me incentivando.

      Bom domingo, com um xêro...

      Excluir
  14. Bacana pesquisa realizada... gostei muito de conhecer seu blog. Voltarei sempre que puder.
    Valeu a visita no Sedimentos: há sempre espaço para mais um... adorei!!!

    Felicidades.
    Beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, teca, que veio "sentar-se" à Cadeiriha, obrigada por vir, gostar e comentar. Voltarei, ao Sedimentos, pois adorei o que vi por lá...

      Meu carinho, num beijo.

      Excluir
  15. Muito interessante este capitulo neste engajamento na luta pela abolição.Belo trabalho Lúcia,que vamos seguindo e aprendendo sobre um povo e sua historia.
    Grato pela partilha com esta riqueza de ilutração.
    Meu carinhoso abraço.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto de seus comentários, poeta amigo.
      Obrigada, pelo incentivo, na sua apreciação ao me trabalho. É com muito zelo, que o executo.

      Tenha um bom domingo. Meu abraço, Toninho.

      Excluir
  16. Desejos de um lindo domingo pra ti!!!!!!
    Vejo que o Ceará tem uma história muito rica,assim vc nos conta,não sabendo que o Ceará chegou a antecipar a Lei Áurea,fico agradecida por mais essa aula...
    bjs com o sabor do aprendizado!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Severa, linda Escritora. Obrigada, por estar aqui, com tanto carinho e elogios. Fico feliz!
      É assim, o meu Ceará, pioneiro, em muitos dos feitos nacionais.
      Volte sempre, é grande o prazer.
      Um xêro, amiga!

      Excluir
  17. Oi,Lúcia,que bom estar aqui! leio e releio suas postagens
    porque sempre fico pensando na trajetória de vida do poeta e refletindo em como os fatos se encaixam nos destinos das pessoas...parece que tudo o que acontece acaba tendo uma razão de ser; as bases do pensamento cristão, a disciplina adquirida na escola militar como alicerces para o exercício de seu trabalho voltado para a justiça, etc.Como olhamos com olhos do presente que para ele seria ainda futuro que não chegaria a conhecer fica claro que quando parecia naquele momento ser uma pena ,na verdade era mais um
    passo para alcançar uma meta.Legal o humanismo de que se reveste esta biografia.Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ontem me ecantei com o vídeo da Betty Boop, no seu gostoso espaço e até compartilhei com mais amigos. Hoje, tenho o prazer de ter você aqui, fazendo essa análise tão minunciosa e perfeita de um poeta, que trago à tona,que tanto fez e que é pouco divivulgado, em sua própria terra.
      Meu pai, J. Paiva, era extremamente humanista,
      hernça familiar que legou aos seus descendentes.

      Obrigada, Gauaraciaba. Um forte abraço

      Excluir
  18. Minha amiga aqui divagamos pela história e aumentamos certamente a nossa cultura geral.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Folgo, em saber dessa divagação e desse aumento de vossa cultura geral! Estou mesmo feliz, obrigada, Mariamiga!
      Sendo hoje início de semana, que ela lhe seja pródiga.
      Carinhoso beijo,
      da Lúcia

      Excluir
  19. Minha querida,

    Ler-te é passar à limpo o que aprendemos em História e até de Geografia...tuas fotos ilustram de maneira perfeita o texto de teu amado pai.
    Obrigada pelo carinho lá no Sonhos,amiga Lucia.É sempre bom te encontrar lá.

    Bjssssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procuro contextualizar os elementos da narrativa com o tempo e o espaço em que e onde se passaram.
      Continuo a acompanhar os passos da "senhorinha" mineira, lá no Sonhos e Encantos, à cada vez mais empolgante...

      Obrigada, querida Leninha, beijos carinhosos,
      da Lúcia

      Excluir
  20. Mais um pouco de História! Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saborear História aos poucos, parece bem mais gostoso.
      Obrigada, Elisabete, por apreciar o que posto.
      Beijinhos,
      da Lúcia

      Excluir
  21. Fantástico este teu caminhar pelo passado para trazê-lo para o presente e nos encantar.Gosto das ilustrações porque me levam a tecer o imaginário.Continuo a acompanhar esta volta ao passado e a saga da tua família.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o que mais gosto de fazer,parecendo até uma mágica, este resgate. Às vezes, demoro a encontrar o que quero, para enquadrar na narrativa mas não desisto, tornando-se um desafio. Volte sempre, Eloah, é um grande prazer saber sua opinião, pelo comentário.
      Obrigada!
      Beijos, da Lúcia

      Excluir
  22. Querida amiga

    As palavras
    que trazem em si,
    perfume de vida,
    escrevem e se reescrevem
    no olhar de quem as lê.

    A amizade é o templo
    da alegria.
    E que assim seja
    para sempre em sua vida.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindas palavras, nessa demonstração de carinho.
      Obrigada, Aluiso amigo.
      Um forte abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  23. Rica é a tua Vida
    Porque te revês na História.
    E a Alma, assim erguida,
    Sempre teve a grande Glória
    De se mostrar revestida.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá SOL, meu poeta amigo!
      Até aqui, traz o seu lindo cantar...
      Obrigada.
      Beijos, com carinho,
      da Lúcia

      Excluir

  24. Querida Lúcia

    Este é um mais belos capítulos desta biografia pois, ele no introduz no importantíssimo tema que é o 'Abolicionismo'.
    Trouxe-me com ele uma informação que eu desconhecia, isto é, a acção positiva do Exército na abolição da escravatura.

    Gostei de ver a figura de D.Pedro II, primeiro um imperador-menino, e aqui na fase de adulto. Também gostei de ver a da Princesa Isabel, a grande mulher que soube ficar na História através da assinatura da Lei Áurea, que permitiu a extinção da escravatura no Brasil.

    Na foto vejo que Manoel de Oliveira Paiva era um rapaz garboso. A sua biografia conduz-nos a grandes momentos. Mesmo doente,diz-nos o biógrafo, ele soube valer-se da sua pena, arma muito importante na transmissão de ideias.

    Por isso, cá estarei para continuar a seguir o seu percurso...

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse tema é muito interessante, ainda mais por ter sido o Ceará o primeiro a abolir a escravatura. Antes de ler essa biografia, também desconhecia a positiva interferência do Exército na questão abolicionista.Meu pai foi um homem de muita cultura e conhecedor da História, daí a riqueza de informações que ele traz para o texto biográfico que escreveu sobre o tio escritor.

      Fico feliz, Olinda, que esteja a apreciar esse trabalho, demonstrado em sua forma de comentar.
      Obrigada, amiga.
      Conto com você, no percurso...
      Beijos,
      da Lúcia

      Excluir
  25. É com todo o prazer que acompanho esta volta ao passado, ficando sempre mais rica, com estas maravilhosas histórias. Obrigada amiga pelas excelentes partilhas.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro a sua companhia neste meu retorno ao passado, Lilá(s). Trago com muito prazer essas histórias, aos
      leitores do presente. Obrigada, querida amiga.
      Beijos

      Excluir
  26. Belo capitulo da história de um povo...Espectacular.....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este, o do abolicionismo, é mesmo dos mais belo capítulos de nossa História. Obrigada, Chana.
      Forte abraço!

      Excluir
  27. OLÁ, COLEGA LÚCIA!!
    PRIMEIRAMENTE, QUERO PARABENIZÁ-LA POR ESTE TEMA TÃO INUSITADO QUE É A GENEALOGIA, ABORDADA EM TEU BLOG. ACHEI SUPER INTERESSANTE E JÁ ESTOU TE SEGUINDO TAMBÉM.
    EM SEGUIDA, GOSTARIA DE AGRADECÊ-LA POR APRECIAR E SEGUIR MEU BLOG. MEUS TRABALHOS SÃO HUMILDES, MAS TODOS FEITOS COM MUITO CARINHO E AMOR! :)
    SEJA MUITO BEM-VINDA À GAM DOLLS. SINTA-SE NUMA CASA DE BONECAS!!
    TENHA UMA LINDA QUARTA E APREÇA QUANDO QUISER!!
    ABRAÇÃO!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou muito ao Bonecas da Mari, da querida amiga Estela, e foi lá que descobri a DONA GAM. Como adoro, ainda, bonecas não tive dúvidas de passear por lá, pretendendo voltar sempre.
      Obrigada, amiga. Tenha um lindo dia.
      Forte abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  28. OI LUCIA!
    PASSANDO PARA TE CUMPRIMENTAR.
    JÁ DEIXEI RECADO ANTES, MAS VOLTANDO SE LÊ, E SE DESCOBRE DETALHES QUE NA PRIMEIRA LEITURA FICARAM PARA TRÁS, AS FOTOS ANTIGAS SÃO UM DELEITE.
    ABRÇS AMIGA

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está sempre por aqui, Lani, dando-me muito prazer, com seus interessantes comentários. Obrigada, esteja à vontade para quantas leituras quiser. Essas fotos antigas são mesmo um deleite.

      Um carinhoso abraço, amiga.

      Excluir
  29. LUCIA
    Me contaram que quando a aboliçao chegou nas fazendas de meu antepasado, quem tratava bem os escravos, estes nao quiseram ir embora e ficaram. Mas outros quebraram porque todos sairam devido a falta de caridade dos patroes.
    com amizade Monica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Moniquinha, alegro-me em vê-la, prima mineira!
      Também me contaram a mesma história. Houve bons e maus senhores.
      Um beijo

      Excluir
  30. Gosto de histórias ( toda a gente sabe...) e de História porque este texto faz parte da História de todos nós. Isto é cultura, isto é passado (não muito longe...) que me faz acreditar que há virtudes que nos chegaram até aos nossos dias graças a estes bravos homens. Obrigada, minha querida.
    Beijo
    Graça

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu mesma sei que você gosta, Graça, vê-se na maioria das suas postagens no Zambeziana, onde muito aprendo. Os povos de Língua Portuguesa, estão unidos pela História.
      Somos herdeiros,realmente, dessas virtudes.
      Eu agradeço, sua vinda e excelente comentário.
      Um beijo,
      da Lúcia

      Excluir
  31. De uma riqueza bibliográfica sem par.Tudo apresentado de modo claro,preciso a ponto de nos fazer lendo reviver esses momentos importantes da nossa história,parabéns sempre pela cura de tudo isso aqui Lúcia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para complementar o texto de J. Paiva (meu muito amado pai), que tinha ricas informações orais, da família, e muito pesquisava para os seus estritos, busco ilustrar, dentro de uma contextualização que me parece apropriada...Obrigada,Bergilde. Um xêro, conterrânea...

      Excluir
  32. Um capítulo que dscreve uma época que sempre me apaixonou. A abolição da escravatura.
    Fico aguardando os próximos acontecimentos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sou apaixonada, por esse feito glorioso de nossa História! Volte sempre. Preciso ir à sua casa, saber das novidades. Um abraço.

      Excluir
  33. Lucinha querida:
    Mais uma vez desculpa. Levo muito tempo a comentar. Este calor não me tem feito bem. Sinto-me cansada de corpo e alma.
    Mais uma lição de História, muito bem documentada com belas fotos.
    Beijinho maninha
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mana querida, Maria do meu coração, não há o que desculpara, entendo esse seu momento. Desejo o seu bem estar e o retorno, urgente,da alegria que é o viver, amiga.
      Essa História documentada, conto-a com imenso prazer.
      Carinhoso abraço, maninha,
      da Lúcia

      Excluir
  34. Tanto sofrimento nesse tempo, ainda bem que existiram homens assim
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era imenso, o sofrimento dessa época. Os bravos homens muito lutaram para debelar tanta dor.
      Obrigada, por vir aqui. Beijos!

      Excluir
  35. Os abstratos não têm nada de especial....Se quiser,
    Arranjo-lhe o link do programa....
    Obrigado pelas suas visitas.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para mim, e para muitos, têm...tal é a beleza
      e, acredito, únicos, cada um que se processe.
      Gostaria, de ter o link, não sei se saberei produzir.
      Não custa tentar. Obrigada, Andrade.
      Beijo


      Excluir
  36. Menina! Isso é um acervo e tanto! Quem dera em minha cidade alguém fizesse o mesmo...
    Vou te seguir, com prazer. Parabéns por tratar a história com tanto respeito. Te admiro!
    Um carinhoso abraço.

    ResponderExcluir