quinta-feira, 9 de agosto de 2012

O NORDESTE, QUINTA-FEIRA, 3 DE JULHO, DE 1952

MANOEL DE OLIVEIRA PAIVA (XVII)
Na Escola Militar do Rio
J. Paiva
Estação de trem do municipio de Caucaia, antiga Soure, a 17 km
de Fortaleza - Ceará - Nordeste do Brasil. 
Antiga Estação de Soure, hoje Caucaia...
A primeira denonominação do lugarejo, era "Caucaia", depois "Aldeia
dos Caucaias", "Aldeia de Nossa Sehora dos Prazeres de Caucaia",
"Vila de Soure", "Soure" e, desde 1943, "Caucaia"...(Foto: google).
Esta é a Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, que constitui uma das
mais antigas realizações dos colonizadores e foi concluida em 1749.A
15de outubro de 1759, a Aldeia dos índios caucaias foi elevada à Vila,
cuja freguesia ficou sob a invocação de Nossa Senhora dos Prazeres.
(Fonte: Wikipédia)
.
.




 
   Todas as fotos de Caucaia, acima, no litoral cearense, distante
17 km de Fortaleza, foram "salvas" no google...                    
                                    

Antiga Estação de trem de Baturité, inaugrada em 1882. Hoje,com a
 a rede ferroviária desativada, funciona, na velha estação,uma oficina 
 e feira de artesanato. (Foto: site Estações Ferroviárias do Brasil).
Baturité, região serrana, fica a 93 km de Fortaleza.

 Estação de Trem de Baturité, em foto mais antiga.
Comparando-se com a foto anterior, vê-se que o edifício "sofreu"
alterações, na parte superior da fachada... (Foto: site Estações
Ferroviárias do Brasil)
José Maria Bezerra Paiva, Teatrólogo, filho do biógrafo
J. Paiva e sobrinho- neto do biografado, Manoel de
Oliveira Paiva, recebendo o Troféu Carlos Câmara,
de 1988,por suas realizações e obra, no teatro cearense.
(Foto: Arquivo de Lúcia Paiva)
O Tetrólogo B. de Paiva (José Maria Bezerra
de Paiva), após receber o Troféu Carlos Câmara,
de 1988, prêmio anua,l para os que se destacam
na área teatral do Ceará...(Foto: Arquivo Lúcia Paiva)
Abaixo: foto do poeta Antônio Sales >>>



O poeta Antônio Sales, foi o criador da Padaria Espiritual, grande amigo de
Manoel de Oliveira Paival e responsável pela preservação da memória
 do escritor cearense, como guardião do seu romance Dona
Guidinha do Poço. (Foto: google)
Estação da Côrte.em  foto de 1870. (Do site Memória histórica da
Estrada de Ferro Central do Brasil).
Uma pintura de Debret, retratando a Corte, no Rio de
Janeiro, com  homens sendo conduzidos em charrete e,
uma dama, na Cadeirinha de Arruar....



Como observava mais Antônio Sales,"apesar de muito franzino, tinha uma musculatura forte e flexibilidade pelos exercícios ginásticos - uma lâmina de aço, e portanto distinguia-se na Escola - quer nos torneios da inteligência, quer nas proezas cavalheirescas da vida acadêmica" . "Mas, acrescentava, o aço também se oxida, e Oliveira Paiva adoeceu do peito em 1881, quando obteve licença para vir tratar-se aqui".

Conheceu-o então Antônio Sales em Soure (hoje Caucaia), "onde ele fora procurar saúde, envergando a blusa de aluno sobre o corpo direito e fino".  A mamãe contava, de quando em quando, a ida de todos da casa com ele, divertida vilegiatura  que não há de ter pouco contribuído para a descrição de cenas de "Dona Guidinha do Poço". Meu tio, apesar de doente, era o centro das palestras, na época das novenas de Nossa Senhora dos Prazeres, onde se discutiu uma questão de terras do Patrimõnio, em voz alta e com argumentos de lado a lado. O laureado poeta, primeiro depositário do precioso legado do tio Manoel, aos 16 anos e com uma timidez excessiva, ouviu-o fazer um brinde: "entusiasmei-me, escreve, e chamava-lhe, respeitosamente: " Seu Cadete!". 

De volta de Soure, com uma melhora um pouco acentuada, ainda demorou algum tempo em Fortaleza. Não se poupava porém e, tendo escrito um pequeno drama, que minha última tia e madrinha Luiza de Oliveira Paiva, então com 11 anos, não se lembra se era "O Conde Renaudo" ou "Reynolds" ia ensaiá-lo, ele próprio, à noite, voltando lá pela madrugada à casa.  Apesar das brandas censuras de uma solícita mãe, ciosa de sua saúde periclitante.
Acontece o mesmo com o filho mais velho de quem escreve estas linhas, caminhando para os vinte anos, como tinha de idade então Manoel de Oliveira Paiva, talvez doente incurável, atualmente em viagem através da Estrada de Ferro de Baturité, a serviço da Sociedade Cearense de Fotografia e Cinema, acompanhado de uma pequena "troupe", da qual também faz parte um irmão menor, Carlos Alberto, o José Maria Bezerra de Paiva, que escreve, adapta, monta, ensaia e representa dramas, é sobrinho-neto de Antônio Bezerra de Menezes, pelo lado materno e pelo lado de quem redige essas notas também sobrinho-neto de Manoel de Oliveira Paiva.
Antônio Bezerra e Oliveira Paiva eram amigos íntimos, e ainda agora acabamos de conversar com as suas ilustres filhas em sua residência acerca dessa amizade, encetada durante as lutas pela libertação dos escravos.

Seguiu, enfim, para a Côrte; mas acompanhemos Antônio Sales: "dois anos mais tarde, em 1883, adoecia, porém, de novo e gravemente, sendo obrigado a dar baixa e vir para aqui quando justamente concluía o Curso Preparatório e ia matricular-se no Superior".

De 1875 a 1883 tinham-se, pois, evolado as aspirações de Sacerdote e de Soldado. Poucos anos, apenas nove cada vez mais dolorosos anos, teria de vida, porém esse pouco mais de um terço de sua breve existência teria de ser  o período de intensidade das lutas, da boemia e da perfeita ascensão nas Letras, chegando a sobressair no conceito social e político do Ceará de 1883 a 1892.
Por J. Paiva
...continua...

*******

NOTAS:
1- Mantive o texto biográfico de J. Paiva confome
o que foi publicado, originalente, em 1952, no jornal cearense "O NORDESTE";

2- Todas as imagens expostas antes do texto, algumas com legendas, têm o caráter ilustrativo para mostrar ao leitor um pouco da paisagem cearense, e outros elementos da narrativa;

3- Os próximos três capítulos terão, como sub-título, "O poeta da abolição". Aguardo você!

*******

Até a próxima semana........um forte abraço!

























97 comentários:

  1. SER CRIANÇA

    Quero voltar a ser criança
    Correr pelos campos
    Sujar-me com a pureza da terra;
    Banhar-me nas águas da cachoeira
    Conectar-me com a linguagem do mundo
    Traduzindo-o em brincadeiras.

    Quero dialogar com a minha infância
    Descobrir-me em sua rebeldia oculta
    O cúmplice de uma revolta sem feridas

    E titubear sílabas de ordem.

    Quero voltar a ser criança
    Para reconhecer em cada rosto
    Um gesto de bondade.
    Caminhar pelas margens de um rio
    E medir seu mistério;
    Deixar que a chuva molhe minha alma
    Enquanto meu corpo sacia-se em liberdade...


    * Agamenon Troyan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que poesia tão linda, Agamenon!
      Dizer tudo da infâcia, em forma de poema,
      é ainda mais encantador. Eu também, queria
      vontar à infâcia. Estou sempre a relebrá-la...

      Obrigada, um beijo,
      da Lúcia

      Excluir
  2. Meu Deus,amiga,quando penso que ,enfim,o nosso amigo iria ter uma vida normal e harmoniosa,eis que adoece!Pobre rapaz,que triste sina!Ainda bem que se dedicou à escrita e fez boas amizades,do contrário sua vida seria uma sucessão de erros(não causados por ele,mas por um destino cruel)Estranho,amiga,alguns moços de antigamente costumavam ter esta saúde frágil,um tio de minha mãe,apenas começando a trabalhar,quase imberbe,morreu de icterícia,segundo o que me diziam os parentes mais velhos,mas eu suponho que deveria ser uma hepatite,não conhecida por este nome na época.As famílias eram enormes,tinham muitos filhos,mas poucos "vingavam".

    E a pobre da mãe dele,coitada,sempre a sofrer por ele de alguma forma.Pelo menos ele soube aproveitar os seus últimos nove anos de vida.

    Penalizada fiquei e presa a esta bela narrativa.
    Bjssssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, querida Leninha, como sofreu esse pobre rapaz. Foi romancista e, a sua vida daria um intrigante romance, conforme constata essa sua biografia. A minha bisavó, Maria Isabel, era extraordiária, no lidar com os filhos, com a grande faília, inclusive com as enteadas, para as quais foi uma verdadeira mãe, segundo contava meu pai (por ouvir falar...).

      Volte, para continuar lendo a narrativa.
      Beijinhos,
      da Lúcia

      Excluir
  3. Respostas
    1. Minha terra,é mesmo linda, não é?
      A beleza, foi revelada, você viu!
      Obrigada, beijinhos...Leninha amiga....

      Excluir
  4. Lúcia,
    Imagino a sua satisfação e orgulho ao dar corpo a estas memórias de família, que são também o retrato de uma época.
    Parabéns, mais uma vez!

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É certo, o que você imagina, AC: tenho imensa "satisfação e orgulho ao dar corpo a estas memórias, que são também o retrato de uma época"...deixo transparecer, eu sei!

      Obrigada, querido amigo. Forte abraço!

      Excluir
  5. Gosto destas histórias antigas onde se encontram as raízes do presente! E as velhas fotos? a mim, emocionam-me e penso quantas pessoas terão passado por aquela estação e que vidas teriam para contar?
    As minhas férias este ano, foram até ás minhas raízes e sei o que é emoção verdadeira.
    Beijo carinhoso.
    Graça

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim mesmo que velo e sinto, querida Graça.
      Essas fotos nos trazem imagens que sabemos possíveis, de pessoas que ali tiveram vida.
      Que bom, que passou por emoções, revendo as suas raízes fincadas nas terras dos familiares.É tudo de bom!Sinto essas emoções, lá no seu espaço...
      Um beijo, amiga,
      da Lúcia

      Excluir
  6. Olá minha linda!
    Que saudades que me deu ao ver e ler tudo isso!!!O coração fica apertadinho parece bater mais forte!!!!

    Quero também te convidar para o sorteio lá no meu blog http://cacaujafet.blogspot.com
    Estou sorteando uma cena mineira de 50por70.
    vem conferir.
    bjossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cacau. É um prazer, a sua visita, com tão carinhoso comentário. Vou lá, participar do sorteio.
      Beijinhos

      Excluir
  7. Olá Lúcia....

    Os cuidados de uma mãe são sempre intensos e intermináveis... e isso está bem patente neste episódio que aqui nos relata...., mas mãe é mesmo assim....
    Quanto às fotos..., nem sei que dizer Lúcia:
    As mais antigas deslumbram-me porque de imediado me imagino como se estivesse a viver naquela época, naqueles lugares e envolvida numa sociedade, bem diferente da actual, é certo, mas que adorava ter conhecido....
    Relativamente às fotos mais recentes.....!!!, que maravilha Lúcia...., algumas delas são rigorosamente iguais a tantas que tenho e que tirei quando estive no Ceará.....QUANTAS SAUDADES....
    Obrigada por me trazer tantas e tão boas lembranças......
    Um abraço
    Albertina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquela mãe, por quem tenho imenso amor, mesmo sem tê-la conhecido, minha bisavó, parece mesmo especial, pelo desvelo aos filhos, principalmente ao tio Manoel.
      O fato de você já conhecer o Ceará, deve provocar outras emoções, ao rever as imagens aí expostas. Sem dúvida, que "o olhar" para as fotos antigas é bem diverso daquele olhar perante as atuais.
      Eu agradeço, seu carinhoso comentário, Albertina querida.
      Um forte abraço, da Lúcia

      Excluir
  8. E nesta cadeirnha de arruar, a história continua a nos encantar.
    Belas fotos amiga!
    Estas antigas estações de trem me fascinam... entrei pelas ruas do passado e me vi em uma estação assim.
    Xêro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre na Cdeirinha de Arruar, escrevo e aguardo meus diletos amigos,querida Estela, como você!
      As estações, me trazem queridas lembranas, principalmente a de Baturité. Incontáveis as passagens por ela, com a minha mãe e irmãos...

      Xêro!

      Excluir
  9. Tantas histórias nos contaste, tantas virão a nos encantar...Lindo ver teu esforço em tudo isso recuperar!!! beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Contei já, muitas histórias, e mais virão, querida chica. Recupero, como quem costura um vestido,reformando, para uma netinha, cheio de aplicaçõse,rendas e botões, com imenso prazer. Beijos, amiga!

      Excluir
  10. Oi,Lúcia cá estou para "ouvir" mais um capítulo dessa história alegre e triste como é a própria vida.O poeta fez parte daquela geração romântica e idealista da segunda metade do século com todo o envolvimento intelectual vibrante do momento
    mas também sofrendo as consequências dos riscos de saúde comuns aos poetas e artistas da época.Aproveitei o intervalo de sua postagem para me inteirar sobre a Padaria Espiritual e achei muito interessante o ambiente fecundo de idéias que se formou entre os jovens da época.Belo trabalho de divulgação da sociedade de seu estado e o muito de sua história.De novo Parabéns!
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A geração dessa época, foi a mais atingida mesmo, pelo ideal romântico e intelectual. Quantos dos que privaram da amizade de Manoel, tiveram final semelhante.
      Como havia lhe dito, encontra-se muito material sobre a Padaria Espiritual que, como se sabe, antecedeu, em muitos anos a Semana de Arte Moderna, de São Paulo. Por ser no Nordeste, não repercutiu tanto qunto esta.
      Obrigada, querida.
      Um abraço.

      Excluir
  11. Histórias de um passado recente e com imagens elucidativas. É gostoso haver destes heróis na família, mas também é necessário criar famílias que voltem a criar estes herois.

    Obrigado pelo seu comentário em lidacoelho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que leio no seu "espaço virtual" Coelho,está bem ao seu gosto, as minhas narrativas...É mesmo "gostoso haver destes heróis na faília, mas também é necessário criar famílias que voltem a criar estes heróis"...fiz minhas, as suas formiáveis palavras...Obrigada!

      Excluir
  12. Querida amiga Lúcia

    Como sempre detenho-me a apreciar as fotografias que nos trazem o 'velho' e o 'novo', que fazem a História dessa grande terra. A aldeia dos índios Caucaia, um pedaço dessa realidade, com as construções dos colonizadores e a sua elevação a vila, depreendendo-se que houve um mundo que desapareceu, com os seus costumes e as vivências tal como era conhecido.
    As fotos e as homenagens aos seus parentes, como o teatrólogo José Maria Bezerra de Paiva, são ecos da grande competência, vocação artística e literária da sua Família, e, confesso que me sinto honrada por fazer parte dos seus seguidores e poder apreciar toda essa plêiade de gente ilustre.

    Passarei à biografia, a seguir.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida amiga, Olinda
      Gosto de vê-la aqui, a comentar as postagens, sempre de forma tão generosa. Quando publico as imagens e digito algumas legendas, sepre espero que os leitores complementem as informações, nos "sites" indicados. com no caso dos índios Caucaia. Nossas antigas aldeias, sempre se iniciaram com tribos indíginas. Hoje, são tão poucos os seus descendentes...Quase tudo, desapareceu,é verdade...
      Parece que é mesmo hereditário, o que você chama de "ecos"...meu irmão José Maria, em muito se assemelha, ao ilustre tio-avô.
      Obrigada, Olinda,por suas palavras e carinho.
      Beijinhos, da Lúcia

      Excluir
  13. Querida Lúcia

    Uma palavra sobre as imagens maravilhosas, do areal, do mar e de toda a envolvência de Caucaia.Lindo!!!

    'De 1875 a 1883 tinham-se, pois, evolado as aspirações de Sacerdote e de Soldado.' Diz-nos o biógrafo sobre Manoel de Oliveira Paiva.

    Os anos seguintes, poucos, serão dolorosos, mas também os da maior realização de quem tão pouco viveu, tanto no campo das Letras como na área política e, neste particular, no abolicionismo.

    Infelizmente, não poucas vezes, isso acontece: pessoas que teriam muito para dar à sociedade acabam por andar por cá pouco tempo...

    Continuemos, pois, a seguir este exemplo de Vida.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeita, a sua análise, amiga.
      Há mesmo que lamentar, o fato de, "pessoas que teriam muito para dar à sociedade acabam por andar por cá pouco tempo..."...Infelizmente, isso acontece. Antigamente, mais ainda.

      Aguardo você!
      Beijos,
      da Lúcia

      Excluir
  14. Apreciando, sempre; e desta vez as fotos são excelentes!
    Bjo e bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um prazer ter um poeta, escrivinahdor, apreciando minhas matérias, obrigada.
      Bom final de semana, beijos

      Excluir
  15. Que postagem bonita, Lúcia! Teve até cadeirinha de arruar feita por Debret. Caucaia parece um sonho. Seu blog é um show de cultura. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moça gentil e bela, obrigada! Debret, sempre dá
      um um toque especial...a cadeirinha de arruar, já faz parte da minha história. As praias de Caucaia, são realente lindas. Você, Carla Ceres, é um amor. Beijos!

      Excluir
  16. QUERIDA AMIGA
    VENHO RETRIBUIR SEU ABRAÇO E DESEJAR UM FIM DE SEMANA LUMINOSO.

    BEIJINHOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria ter notícias suas, mais diretas: assim amiga, mais iluminada! Bom final de semana, Beijos, amiga querida.

      Excluir
  17. Lucia,
    Mais um post que é o resgate cultura de nossa história. Obrigada por partilhar tais preciosidades.
    beijokas doces e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Marly, parece que é a minha mais agradável missão, esse resgate histórico.
      Obrigada, bo final de saeana, beijos...

      Excluir
  18. Olá Lúcia,

    Vim inteirar-me de mais uma parte dessa rica história, que hoje está ornamentada com belas e interessantes fotos.
    Ficou linda a postagem.

    Ótimo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é muito bem vinda...aprecie, à vontade, amiga, Obrigada! Bom final de semana. Beijinhos!

      Excluir
  19. Com saudades estou fazendo minha
    visita na sua casinha virtual.
    Sei, que Domingo não é Dia dos Pais
    em Portugal mesmo assim tenha um Domingo feliz .
    Que Deus abençoe grandemente sua familia
    paz amor e luz.
    Convido você a pegar dois selinhos a esquerda
    do meu blog.
    Estarei sorteando 2 livros meu para Portugal
    o endereço dos blogs esta com link no selinho.
    basta colocar o selo no seu blog e
    fazer inscrição no blog de Portugal
    dizendo quero participar do sorteio do livro.
    O sorteio será feito em Portugal
    no dia 10/09/012 Dia do meu aniversário.
    Minha festa esse ano será com minhas amizades virtual.
    Conto com seu apoio para essa linda festa .
    Beijos no coração,Evanir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Evanir!
      Desejo-lhe um feliz "Dia dos Pais".
      Realmente, o dia dos pais em Portugal,
      não será amanhã. Mas a minha Cadeirinha de
      Arruar está instalada no Brasil. Sou brasileira.
      Obrigada, pela mensagem, selinhos e sorteio do seu livro. Parabéns!
      Beijinhos,
      da Lúcia

      Excluir
  20. Hoje levo comigo a imagem da estação de trem de Baturité, achei tão linda.


    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amo Baturité e a sua estação é a que mais representa mihas férias infantís, pisei muito,
      aquele chão!
      Beijo

      Excluir
  21. Bebendo conhecimento, sacio a sede do saber.
    Continuas a valorizar a História e isso é rico e magnífico.
    belas ilustrações fotográficas a mostrar que a terra é bela, porque sempre o foi.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SOL, amigo querido, tão bom saber do seu interesse e apreciação da História que compartilho.
      Obrigada!
      Beijos,
      da Lúcia!

      Excluir
  22. Querida amiga

    Quando as palavras
    encontram sentimentos
    que fazem com que elas
    encontrem seus sentidos,
    nossa vida se enfeita
    com as cores da esperança.

    Obrigado por sua amizade.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aluisio, querido amigo

      Sempre trazendo uma linda mensagem de carinho
      e amizade. Obrigada, forte abraço.

      Excluir
  23. Lindas imagens, lindas palavras.Parabéns!
    Tenha um abençoado fim de semana. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, princesa.
      Tenha um lindo domingo.
      Beijinhs,
      da Lúcia

      Excluir
  24. Lindas fotos a acompanhar o seu texto. Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Elisabete.
      Volte sempre, é um prazer.Beijos!

      Excluir
  25. Minha amiga é sempre um grande prazer continuar a acompanhar a sua história familiar. Que lindo local deve ser Caucaia.
    Bom fim de semana
    beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria
      Obrigada, pelo carinho, nas elogiosas palavras.
      Caucaia está localizada em local privilegiado em beleza e bem próximo à Fortaleza.
      Beijinhos, amiga,
      da Lúcia

      Excluir
  26. Mais um rico capítulo, ilustrado com carinho, pois percebe-se a sua dedicação ao blog e, sobretudo, à história. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho mesmo, Marilene, um carinho especial com
      esse espaço, que dedico aos queridos leitores e amigos. Conto e ilustro esssas histórias com imenso przer.
      Beijinhos, querida,
      da Lúcia

      Excluir
  27. Lucia, belas histórias e resgates de família acompanhadas de fotos incríveis. Gosto de fotos antigas. Sabe... muitas vezes visito uma tia, daquelas que sabe tudo da família, quem foi quem, o que fez, parente de quem...Tudo isso só pode mostrar o interesse que temos por nossas raízes, por nossos antepassados. E tiro dela o que posso, apesar de seus 93 aninhos... Mas é a única que sabe de muita coisa...

    Grande beijo
    Carinho.
    Tais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É imperioso,Taís, esse resgate.Procuro me esmerar, nas ilustrações aos fatos da narrativa exposta. Que interessante saber de sua tia que detém sobre as raízes da família e do seu interesse. Sou bastante procurada, pelos parentes mais jovens que valorizam a sua ascendência genealógica. Espero chegar aos "93 aninhos" rs..
      Beijinhos carinhosos,
      da Lúcia

      Excluir
  28. Que bela reportagem, minha amiga!
    É preciso ir relembrando o passado!

    Beijinho para si!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, calado, "ir relembrando o passado", é mesmo preciso...Obrigada, meu amigo!
      Beijinho,
      da Lúcia

      Excluir
  29. Reaver historias passadas é olhar para nossa formação de hj para deixar boas lembranças no futuro.
    Obg pela visita volte mais vzs ;)
    Bj e boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passado, presente e futuro, estão sempre interligados, daí a importância da preservação
      da história para as gerações futuras. Obrigada!
      Um beijo, produtiva semana!

      Excluir
  30. O saber não ocupa lugar. Bela lição de história e não só! Lindas fotos!

    ResponderExcluir
  31. É sempre uma viagem história o passeio por aqui. Grande abraço e sempre meu carinho...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Malu
      Obrigada, pelo carinhoso elogio.
      Meu afeto, num abraço, amiga!

      Excluir
  32. Olá Lúcia, e que tudo esteja bem contigo!

    E cá estou novamente, embarcando nesta viagem destas histórias do povo desta nação, e consequentemente na viagem do conhecimento, pois não sabemos tudo, e tudo, jamais será o bastante quando não temos sabedoria para usar o conhecimento!

    Por cá sempre belos textos, e também deveras belas imagens, parabéns pelas postagens sempre tão bem elaboradas e por compartilhar o teu saber com os amigos. Obrigado pela amizade também e pelas sempre deveras gentis visitas e comentários. Assim desejo a você e todos ao redor um intenso e feliz viver sempre com saúde, abraços e até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E como sempre bem vindo, Sotnas. Obriagada, pelos elogios e carinho. São muitas e variadas as histórias desse imenso país.

      Volte sempre. Forte abraço.

      Excluir
  33. Lúcia,
    Que incrível e memorável viagem a sua postagem proporciona aos seus leitores,parabéns por tudo,conteúdos e imagens formidáveis.Que zelo!
    Abraços meus voltando aos poucos aos circuitos do blogspot,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida conterrânea, Bergilde. Que prazer, tê-la de volta. Agradeço, seu carinhoso comentário. Tudo isso, faço realmente com imenso zelo. Um abraço, amiga!

      Excluir
    2. Que beleza, Lúcia. Que preservação. Que Ideia fantástica essa sua. Que riqueza. Que família nobre. Parabéns. Terminei a Sessão Bergman, Lúcia. O último filme da sessão e belo. Espero revê-la. Seus comentários são sempre bem-vindos. Um abraço...

      Excluir
    3. Olá, Maxwell, quanto elogio, aasim fico emocionada demais, amigo. Agradeço, com carinho. Como você, com as suas maravilhosas Sessões de Cinema, gosto muito do que faço.
      Vou lá, conferir Bergman,que adoro, ver mais e comentar. Um beijo!

      Excluir
  34. muito bom este documento...
    uma biblioteca viva este blog!
    lembra de uma época em que eu fazia pesquisas iconográficas aqui em são paulo...em lugares hoje extintos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ricardo. Por gostar de bibliotecas, torno a Cadeirinha uma exposição de leituras e pesquisas. Quem bom, trazer-lhe lembranças.
      Um abraço!

      Excluir
  35. Olá, amiga Lúcia!
    Foi maravilhoso ver as paisagens do Ceará, pois, apesar de viver no Amazonas, sou cearense.
    Nosso estado foi mesmo premiado pela natureza com sua beleza natural. É, realmente, um paraíso.
    Quanto a Antonio Sales, (talvez seja até meu parente, pois meu pai e meu avô são homônimos)somente o conhecia por referência, no entanto, agora, foi-me muito gratificante conhecer melhor sua biografia e sua obra nesta sua postagem espetacular.

    Parabéns pela magnífica publicação!

    Abraços do novo amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante, saber que você é cearense e vive no Amazonas. Houve época, em que muitos cearenses, inclusive de minha família foram para essa bela terra.
      É bem possível, o seu parentesco com Antônio Sales. Tenho me referido muito a ele, nessas últimas postagens. Foi um grande poeta.
      Obrigada, novo amigo. Forte abraço!

      Excluir
  36. Obrigada Lúcia pela delicadeza com que olha minhas fotos, fico tão contente! Sou amadora nessa arte de fotografar, mas tem sido um hobby maravilhoso.Depois há toda um ritual, copiar no pc, recortar, dar o toque na cor , as vezes ouso pensar que estou pintando uma tela rsrs
    Gosto muito de ler o que escreve da sua 'cadeirinha de arruar',sua terra tem o povo mais cordial que conheço.
    E as fotos da cidade são lindas , os coqueiros, as praias, as jangadas, tudo acrescentado a biografia do poeta .
    Obrigada e um abraço grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Lis, saiba que considero o seu espaço extraordinário. Fico mesmo encantada com o seu talento fotográfico.Imagino, o seu prazer, é mesmo como uma pintura, há todo um ritual de produção de arte... parabéns!

      Obrigada, pelo interessante comentário.Um beijo!

      Excluir
  37. O seu trabalho amiga é digno de aplausos,recriar das cinzas e naftalinas a historia de vida e arte de uma familia.Sempre fico a admirar sua determinação.Hoje com belas ilustrações desta terra bela.
    Parabens sempre amiga.
    Meu terno abraço de paz e luz.
    Bjo no seu coração.
    Uma boa semana a voce e familia com alegria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, poeta amigo. sempre que possível, vou lá me deliciar com a poesia desse extraordinário mineiro. Tenho grande afinidade com essa boa gente das Gerais.
      Obbrigada, pelo carinho e elogios.
      Um fortíssimo abraço, amigo!

      Excluir
  38. Ola minha amiga,que bom receber tua visitinha;Que excelente postagem minha querida.Parece mentira mas não conheço Caucaia,e olha que tenho um filho morando em Fortaleza.....Espero que tenhas uma ótima semana e espero também que não nos percamos mais de vista.Meu abraço com muito carinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Susane, querida,bom que tenha vindo tão logo. O círculo de amigos vai crescendo e ocorre nos distanciarmos de alguns, por algum tempo.Permanecendo a amizade, a gente retorna a se encontrar. Quando vier vistar o filho, visite Caucaia, tem um belo litoral..
      Obrigada amiga, um carinhoso abraço!

      Excluir
  39. bela imagens que retratam uma bela lição de história...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  40. Olá Lúcia querida,
    Quantas lindas histórias você nos conta de seus antepassados
    que marcaram suas épocas de vida nestes maravilhosos lugares
    de nosso Brasil.
    Encanto-me ao lê-las e fico pensando neste grande arsenal de fotos e material histórico que possuis. Tudo isso de um valor inestimável, não?
    As fotos são lindas!
    Grande e afetuoso beijo, amiga.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria, é sempre um prazer tê-la aqui.
      Agradeço, seu carinho nesse encantador comentário. Gosto de lidar com fatos e ilustrações históricas.
      Um carinhoso abraço, amig,
      da Lúcia

      Excluir

  41. Olá Lúcia,

    Passando para lhe deixar um beijo e agradecer pela visita
    gentil e agradável.

    Ótimo final de tarde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda amiga,
      deixei lá, há pouco,
      votos de uma noite feliz,
      com um beijinho, da Lúcia.
      Obrigada, pelo carinho...

      Excluir
  42. Lúcia querida,você me fez conhecer coisas lindas.Obrigada!
    Um beijão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida, obrigada pela atenção e carinho.
      Beijinhos

      Excluir
  43. Este texto é o retrato que temos do nordeste brasileiro, onde a população mantém estreitos laços com a religiosidade, a simpatia e a conduta rígida e disciplinada, gostei de saber que o que aprendi sobre o nordeste de uma determinada época foi histórico e exato. Parabéns pela postagem, gostei da coincidência de texto e aprendizado! Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a Yayá, às vezes o aprendizado não corresponde à verdade. Que bom, que no seu caso foi possível constatar que isso não ocorreu. Você, que é do Sul tem um ponto de vista bem interessante e procedente, quanto ao Nordeste. Obrigada.
      Um abraço, da Lúcia

      Excluir
  44. very excited to be able to come back on this Blog
    this post is very good, add information and insight for my knowledge
    love it if you also re-visiting my blog
    thank you

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, pela visita e elogioso comentário.
      Estive há pouco em seu extarordinário blog.
      Muito bom!
      Um abraço

      Excluir
    2. Thank you my friend
      I am happy to be friends with this blog, even though we never met, but reading this makes me happy ..
      Do not forget to visit me, WAWASAN DUNIA BLOGER.
      thank you
      best wishes

      Excluir
  45. Passando para desejar um excelente fim de semana:)!
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só vi agora, Lins.
      Mas vale para esta semana, obrigada.
      Tenha um maravilhoso final de semana. Beijo!

      Excluir
  46. Respostas
    1. Gosto, do seu espaço.
      Recebê-la, também é uma honra.
      Um beijo, Crista.

      Excluir
  47. Mais um interessante capitulo.
    E mais uma vez, o contraste entre passado e presente bem cdocumentado nas fotos.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Elvira.
      Gosto da sua presença e comentários.
      Um abraço.

      Excluir