sexta-feira, 1 de julho de 2011

ACTAS DIURNAS : DENDÉ ARCOVERDE (III)

(IN) SAGA DE UMA FAMÍLIA( V)

Engenho do Cunhaú ,com um belíssimo canavial, ainda... Esta foto,
foi batida em2008. A Capela do Cunhaú, está localizada logo
à esquerda.  (Foto: acervo próprio)

Próximo à capelinha, há algumas casas de moradores locais.
Este casal ,que aí aparece, é meu filho e minha
nora que me acompanharam na viagem...
(Foto: acervo próprio- 2008)

Não preciso dizer quem é esta "turista" rsrs...
Estou apenas "provando", com a foto, que
estive, em 2008, em pesquisa, 
no antigo Engenho Cunhaú....

A Capela  N. Sra. das Candeias, conhecida também como Capela
do Cunhaú e Capela dos Mártires, em Canguartama-RN, atrai
muitos turistas....(Foto: acervo próprio)

Interior da Capela do Cunhaú, em foto a partir
do altar mór. Na parede à direita, próxima à
saída, estão afixadas 4 placas  de bronze
que "contam" a história do Cunhaú e da
Famíla Albuquerque Maranhão.
(Foto: Elizete Arantes- do blog
da Professora Elizete)


Essa placa apresenta uma "Sinopse Parcial" da "Casa do Cunhaú". Aí estão
os nomes dos "Senhores do Cunhaú". Dada a luminosidade (reflexos), esta
foto não oferece boa nitidez, mas é possiível  uma razoável leitura. Vejam
que o nome de nº 7 é André de Albuquerque Maranhão Arcoverde,
"o Brigadeiro", ou Dendé do Cunhaú. Abaixo de seu nome, lê-se
que ele foi o "último" Senhor do Cunhaú.
No final, consta: .....fizeram gravar esta placa em homenagem aos seus
antepassados, quando das solenes comemorações pelos 400 anos de
fundação da Casa Senhorial de Cunhaú. Engenho do Cunhaú, 2 de maio de 2006.
(Foto; acervo próprio -2008).


Lousa tumular do Capitão-Mór Jerônimo de
Albuquerque Maranhão (1548-1618), fundador
da Casa do Cunhaú. Ele nasceu em Olinda (PE),
filho do português Jerônimo de Albuquerque e
de uma indígena filha do Cacique Uirá Ubi
(Arco Verde, em português).  
Esta lousa, tinha sua inscrição
em baixo relevo mas, foi desgastada, com
o passar do tempo, por estar no corredor da
capela, por onde as pessoas pisam, circulando...
(Foto do blog  História e Genealogia, de
Anderson Tavares)


André de Albuquerque Maranhão(1773-1817) foi
Chefe do Governo Republicano, de 1817, no
Rio Grande do Norte.Ferido, a golpe de espada,
no dia 25 de abril, de 1817,faleceu no dia
seguinte, no cárcere da Fortaleza dos
Reis Magos , Natal, RN.
Seu corpo jaz no corredor da  Matriz de N. S. da
Apresentação, em Natal-RN. (Foto do blog
História e Genealogia, de Anderson Tavares)


ACTA DIURNA 
DENDÉ ARCOVERDE (III)

Casara com sua prima d. Antônia Josefa do Espirito Santo
Ribeiro d'Albuquerque Maranhão, filha de João d'Albuquerque Mranhão e de d. Antônia Josefa, irmã de sua mãe. Seu sogro, quase centenário, veio a falecer, na Província da Paraiba, a 20 de agosto de 1859.
Dendé perdeu a mulher no dia 7 de outubro de 1835. Dizem
que a envenenou, passando, a pretexto de fazê-la perfumada, unguento misterioso pela linda cabeleira da espôsa. A senhora morreu, dias depois do agrado, com furiosas dôres de cabeça. A tradição oral registra que o único filho legítimo do Brigadeiro Arcoverde, o pequenino André, fora igualmente assassinado pelo Pai, com processo idêntico ao que sofrera a Mãe. O menino sucumbiu a 25 de novembro de 1836. Uma versão mais humana e lógica, informa que d. Antônia Josefa falecera de febre puerperal e o filhinho, de meningite.
 Dendé ficou com as duas  heranças... 

Seu irmão mais velho, José Inácio, durante as partilhas, quando
do inventário de sua mãe, em 1846, teve desavenças com o Brigadeiro. José Inácio era influente, solteiro, rico, várias vezes presidindo a Câmara de Vila Flor. Residiu em "Belém" e "Estivas". Dendé mandou-o matar, com a naturalidade de quem encomenda a um caçador uma peça de caça. Escapando várias vezes às emboscadas, José Inácio deliberou fugir para Europa. Vendeu parte dos bens e, com Joaquim Cardoso, seu capataz de confiança, veio ao engenho "Bosque", em Goianinha, e enterrou uma mala cheia de moedas de ouro. Passou procurações para uns parentes seus administrarem as propriedades. Numa dessas jornadas uma descarga apanhou-o no braço, ferindo-o levemente. José Inácio, esperando a época da viagem, veio refugiar-se em "Estiva", em casa do Capitão-Mór André d'Albuquerque Maranhão, coronel das Ordenaças de Vila Flor e Arês. Este mandou vigiar os arredores. Os dias passaram, calmos.
Uma manhã, conversavam, André de "Estivas" e José
Inácio, no alpendre da casa-grande. José Inácio, deitado numa espriguiçadeira, segurava um lenço de cambraia, de encontro ao ouvido. Ao lado ficava uma olaria onde alguns homens do Capitão-Mór trabalhavam. Bruscamente um trabalhador gritou:
- guarda o tiro! ... Da olaria dispararam dois bacamartes, de pontaria dormida. Uma bala atravessou a mão, o lenço e cabeça de José Inácio. O fidalgo caiu de bruços, fulminado. O Capitão-Mór correu em cima dos emboscados que desapareceram.
Horas depois, chegava à "Estivas", o Brigadeiro Dendé
Arcoverde, todo de preto, grave, compungido, com um sequito de guardas, armados e montados. Esteve muito tempo olhando o cadáver do irmão. Ajoelhou-se perto, persignou-se, e declarou que viera buscar o corpo para ser sepultado, com honras, na capela do Cunhaú. Organizou o prestito e carregou e carregou o defunto numa liteira. Enterreou-o com pompa. No sétimo-dia veio a orquestra de São José de Mipibu, dirigida por Joaquim Barbosa Monteiro, para tocar durante a missa fúnebre. José Inácio ficou na capelina do Cunhaú. Dendé herdou tudo...

Joaquim Barbosa Monteiro, que faleceu aos 85 anos em S. José de Mipibu a 7 de outubro de 1907, contara ao cel. Felipe Ferreira da Silva de "Mangabeira", que, terminada a cerimônia, apresentara as despedidas ao Brigadeiro que passeava todo de branco, na calçada. Dendé Arcoverde falou, com a voz grossa e alta que assombrava até aos Anjos do Céu...
_  Não lhe pago agora porque não tenho dinheiro que chegue. Vá para casa que receberá logo que me venha o que estou esperando...
Julgando agradar, Monteiro explicou que o toque era gratuito. O Brigadeiro franziu o couro da testa como um tigre:

_ Atrevido! Querer fazer um favor ao Brigadeiro Arcoverde para sair dizendo  que ele não tinha que pagar!...Ousadia desse diabo! Suma-se de minha presença, depressa!...
Joaquim Monteiro saltou num cavalo e galopou até São José de Mpibu, resando a "Salve-Rainha" quando se encontrou fora dos caminhos do Cunhaú.
Mas, dias depois, Simplício Cobra Verde foi a S. José entrgar a Joaquim Monteiro verdadeiramente fidalgo, da tocata e do susto.
Para o seu tempo, o fausto do Brigadeiro teve as honras da lenda. O Sr. dr. Eloy de Souza relembrou a fama em sua conferência "Costumes Locais" (Natal...1909 p.7);  - "A tradição ainda recorda as riquesas dos Arcoverdes, em propriedades que mediam, em escravos tão numerosos que a muitos ignoravam os nomes e estranhavam a própria fisionomia e em moedas de prata e ouro, semestralmente postas a arejar em largos couros estendidos no terreiro da casa grande. Célebres foram as suas baixelas de prata e ouro; e célebres as viagens que faziam ao Recife, em liteiras puxadas por cavalos cobertos po pesados mantos de tafetá recamados d'ouro; o enorme sequito de agregados de todos os matizes; a charanga, as barracas de seda e toda a régia munificência com que iam afrontando o humilde sossêgo das praias por onde passava tão fidalgo e ruidoso cortejo".

(10. 05. 1941)

(Fonte: "O Livro das Velhas Figuras", vol. 3, Luis da CÂMARA CASCUDO, Natal: IHGRN, 1977).
Obs.: A ortografia da época, 1941, foi mantida, nas actas....

*******

NOTA: Amigos leitores, tenho conhecimento de que o ilustre
Historiador potiguar, Luis da CÂMARA CASCUDO,  escreveu 6 artigos (I a VI) na sua Acta Diurna, no jornal A REPÚBLICA de Natal, em datas de 6, 8, 10, 17, 20 e 24 de maio de 1941. No entanto, só disponho das tres primeiras, que aqui foram publicadas, tendo sido publicada hoje a 3ª acta. Estou à procura
de "descobrir" a fonte onde tenham sido publicadas as demais actas..., ou seja, as 3 últimas, sobre Dendé do Cunhaú.
Já informei aqui, em postagem anterior, que estas tres actas,
aqui publicadas, seguidamente, me foi enviada por Daliana
Cascudo, neta de Câmara Cascudo. Estou tentando fazer
contato com ela, para obter as outras tres actas ( IV, V e VI).
Suponho que, com a apresentação das tres primeiras, o leitor
interessado, que vem acompanhando as postagens de "SAGA DE UMA FAMÍLA", já se "apossou" do perfil do Brigadeiro, traçado pelo brilhante  pesquisador Câmara Cascudo....Portanto, na próxima publicação, mostraremos "AS LUTAS ENTRE O BRIGADEIRO E ANTÔNIO PEREIRA DE BRITO PAIVA"...
Ficando a promessa de que, caso encontre as tres actas
restantes, pubicarei ao final desta série que "batizei" de
"SAGA DE UMA FAMÍLIA"

*******






Estou indo......................mas eu volto.  Um abraço!











65 comentários:

  1. Boa noite, bem se ve que alem de turista, tu es uma otima historiadora, e assim que se diz? Bom acho que deu para entender ne? Mas, olha que to de boca aberta, consegues me prender em tuas hstorias, e olha que nem de historia, materia, eu gosto hein? Mas valaeu, parabens...bjin e continue escrevendo e me trazendo novas historias ok?

    ResponderExcluir
  2. Olá, Simone, gosto de turismo e pesquisa histórica, principalamente quando envolve a
    minha genealogia. Que bom, que consigo "prender"
    voce, deve ser o meu "lado professora".
    Obrigada, amiga, a saga prossegue >>>>>>
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Lúcia

    Apenas leio com muito interesse.
    Fico com a viagem virtual (possível) tentando ver e perceber o que ali está.

    SOL da Esteva
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Precisa-se mesmo, dar "asas" à imaginação. Tudo
    mostrado, até então, nesta série, Sol, é como que
    um "pano de fundo" onde virão os "passos" de alguns ascendentes meus, em sua "saga nordestina"...
    Obrigada, pelo interesse

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, passando para te pedir um favor, pode ser? Então...voce pode me fazer um favor? Entre no meu http://meumodosuavedeescrever.blogspot.com, la voce clika num selinho "TROVADOR LIRICO", vais entrar no blog.OSTRA DA POESIA, tem uma porta marrom, que abre e fecha, entre nela e veras meu poema: O poeta...seus rabiscos...agora, va no final da pagina e envie uma mensagem votando no meu poema, pronto! Obrigada e sempre estarei a te visitar...BJIN em seu coração!
    Quem sabe nao viro historia em teu blog., nao e mesmo? brincadeirinha, mas espero continuação...abraços

    ResponderExcluir
  6. Oi, Simone, já fui fazer uma visita, antes dos
    seupedido e já votei.
    Sua poesia, concorrente, é linda...Sucesso!

    ResponderExcluir
  7. Nossa amiga que viagem fantástica você fez na verdade fui de carona contigo.
    E saiba você ainda é uma bela mulher.
    Um lindo final de semana beijos meus,Evanir.

    ResponderExcluir
  8. ulá ulá viagem em tua história e imagens, parabéns pelo teu espaço... Olá sou a Lindalva da Ilha, idealizadora do ostra da poesia e vim dizer que teu voto foi computado com sucesso para o pena de ouro... Beijos e afagos no coração!

    ResponderExcluir
  9. Olá, Evanir, com prazer, ofereço caronas.
    Obrigada, amiga, pelo elogio..
    Bom final de semana...beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Que bom, Lindalva, que foi comutado, achei um
    pouco complicado. Ainda voltarei ao seu blog,
    sem ser pra votar. Vou apreciar seus traalhos...
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Que viagem sensacional, amiga!
    Nossa, para quem gosta de história,
    essa viagem foi um "prato cheio", hein?

    Toda gatona na foto!

    Beijosssssssss

    ResponderExcluir
  12. Muito bom, Lúcia. O perfil foi traçado. É interessante que aqui no sul também tivemos homens assim, com algumas variações de procedimentos, mas com semelhantes objetivos e caráter.

    Também procurei as outras "actas" e não as encontrei em sitio algum. Creio ser mesmo a Daliana a melhor fonte.

    Paz e bem. Bom domingo.

    ResponderExcluir
  13. Leila, foi um PF, mas muito saboroso,
    como a comida da vovó rsrs...quanto a ser
    "gatona", não é bem assim...estou mais pra
    "gatosa" = gata-idosa...nome dado a amim por
    um professor de natação...rsrs.
    Gostei, o astral vai lá pra riba...
    Obrigada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Clóvis, querido amigo, seu interesse me
    deixa comovida. Obrigada, pela colaboração
    Seus comentários, são de grande incentivo, para
    mim, que ainda estou "engatimhando", por aqui...
    É, a gente encontra esses elementos, semelhantes
    ao Dendé, por todos os lados.
    Agora, vou mostrar o que eu sei do procedimento
    dos meus familiares, daquela época, começando pelo tio-avô Brito Paiva..

    Bom domingo
    Bem haja
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Querida Lúcia:
    Gostei muito da sua foto e da foto do seu filhote e da sua nora, que a acompanharam na viagem.
    Também gostei de ver o interior da Capela de Cunhaú.
    Deixei um abraço para si, em "Luz de África".
    Aqui, fica outro.

    ResponderExcluir
  16. Gostei mais uma vez de passar por aqui e ler,mais essa parte da história, te ver(és lindona) e ver essas coisas lindas que mostraste. Tão interessante tudo isso!

    Que tua semana nova seja linda! Um beijo,tudo de bom,obrigado pelo carinho sempre,chica

    ResponderExcluir
  17. Ola, querida Isabel.
    Obrigada, pelo carinho e elogios.
    Vou lá, em "Luz de África", pegar
    meu outro abraço. Voce sempre muito
    carinhosa. E que história tão linda,
    a sua de hoje,áliás, são sempre lindos,
    seus post's....
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  18. Oi, chica, adorei o "Iceberg", voce
    é imensamente criativa, amiga.
    Agradeço suas costumeiras visitas e
    elogios. Só me deixam envaidecida rsrs.
    Linda semana
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  19. hauahuaahuh gostei do gatosa!!! :D

    ResponderExcluir
  20. Então, não é charmoso, Leila?
    Guarde bem esse "adjetivo", para
    quando chegar nessa "felina" fase rsrsr
    GA-TO-SA...uma gata idosa!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  21. Oi Lúcia,
    É muita história pra contar... e que bom que o filhote também esteja envolvido nessa trajetória.
    Gostei também das fotos.
    Obrigada pelas visitas, ainda não voltei de vez a blogar.
    Beijocas.

    ResponderExcluir
  22. Boa noite, Lúcia!

    Passando para conhecer este maravilhoso espaço e agradecer por seu comentário no blog da nossa querida amiga Cris! Obrigada por ter lido meu conto..

    Uma linda semana, fique com Deus!!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  23. E eu cá continuo seguindo esta linda saga!
    Abraço

    ResponderExcluir
  24. Tem muito chão ainda pela frente,ou por tras,
    Estela. Esta já foi a segunda viajem ao RN,para
    visitar os engenhos. Na primeira, quem me acompanhou foi o maridão.
    Obrigada, amiga....volte logo a blogar
    Beijos

    ResponderExcluir
  25. Achei lindo o seu conto,Regina,
    PARABÉNS, continue escrevendo...
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Obrigada, Álvaro, dá
    pra notar que voce é fiel...
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Estupendo el post que nos has dejado. Un placer haberme pasado de nuevo por tu casa.

    Saludos y un abrazo.

    ResponderExcluir
  28. Grata, Ricardo, que grande elogio.
    Sua visita, é um grande prazer para mim
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  29. Querida Lúcia

    Estou maravilhada com as fotos, com as legendas, com a pesquisa que tem levado a cabo com tanta competência.Excelente introdução para a Saga da Família, propriamente dita.Realmente o perfil do Dendé Arcoverde está traçado e de forma brilhante.Por ele se vê como naqueles tempos quem ditava as leis era o mais forte e o Brigadeiro usava e abusava disso.Ele detinha o poder de vida e de morte sobre qualquer pessoa e nem a própria família escapava.

    Que venha o próximo capítulo...

    Beijos

    Olinda

    ResponderExcluir
  30. Olinda, minha querida, voce sempre atenta, à
    saga, e tecendo elogiosos comntários que, cada
    vez mais me induzem a prosseguir neste enredo,
    um tanto dramático mas rodeado de beleza, no
    cenário onde meu bisavô paterno foi a maior
    vítima, para mim. Tomei como um dever, contar
    essa história familiar...
    Já estou preparando, o próximo capítulo.
    '''''''
    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Lucia

    Se meu pai estivesse aqui ia te especular pra saber onde é o começo de sua familia.
    A nossa é Ferreira e em Santo Antônio do Amparo MG. Lá em casa.
    Eu adorei a foto e não sei porque não estava nos meus seguidores. Agora vou te seguir de fato.
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  32. Meu bisavô, Mônica era Ferreira de Paiva, mas veio de Portugal,possivelmente, na região do rio Paiva...Se instalou no rio Grande do Norte. Mas conta a tradição que teria vindo com dois irmãos: um teria ido para Minas e e outro pra São Paulo. Quem sabe, o que foi pra MG é o seu ascendente?

    Obrigada, prima
    Beijos

    ResponderExcluir
  33. Oi Linda, boa noite!

    Respondido a sua dúvida: (http://fortalezanobre.blogspot.com/2011/05/chico-albuquerque-o-talento.html) as fotos estão com o querido Nirez.

    Beijossssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  34. Lucia querida, amei as fotos da familia me sinto viajando com vocês, e o melhor, viajando com conhecimento, essa forma profunda que tens de conhecimento da tua história, da terra onde passaram os teus antepassados é muito rica, é fabulosa, encanta mesmo e eu fico esperando pelos próximos capítulos, super parabéns, querida, eu adorei passar por aqui, te agradeço o carinho e o retribuo inteiramente, uma bela semana.

    ResponderExcluir
  35. Estando com o Nirez,está seguro.
    Faça uma visita a êle e veja se aquela
    coruja faz parte do acervo, ainda...
    Obrigada, Leila, pela informação.
    Beijos

    ResponderExcluir
  36. Olá, querida Eva. Seus elogios
    me incentivam cada vez mais. Gosto
    muito dessa curtição, de mexer no baú
    e trazer à tona esse passado que ainda
    prezo, desvendando alguns mistérios que
    meu pai tanto queria desvendar, me deixando
    as pistas que venho seguindo, com grande
    satisfação...
    Virão muitos capítulos...é esparerar, pra ver.

    Obrigada, pelo carinho.
    Beijos

    ResponderExcluir
  37. Boa noite, Lúcia
    Tenho estado mais ausente do pc do que é habitual (assuntos vários a tratar...) mas estava desejosa de vir cá "pôr a escrita em dia".
    Mais uma vez me deliciei com mais um episódio da Saga, do mesmo modo que admiro a sua capacidade para (re)colher todos esses elementos.
    Não tenho dúvidas que vc vai conseguir as três "actas diurnas" que faltam. Eu estou contando com isso, viu?

    Uma semana muito feliz. Beijinhos

    ResponderExcluir
  38. Menina, venho para agradecer-te o comentário generoso que deixou em meu cantinho e confesso que me emocionei.
    Um grande abraço e PAz.
    A casa sempre estará aberta!

    ResponderExcluir
  39. Olá, Mariazita
    Há muito estou nesta empreitada,
    meu pai me deixou o preparada, boa
    parte da saga...agora estou complementano.
    Quero acreditar que conseguirei as tres actas.
    Obrigada, pelo incentivo, nessa peleja...

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  40. Malu, o seu "Meu Infinito Particular",
    é de uma rara beleza, querida...
    Vez en quando irei lá...
    Fique à vontade, na Cadeirinha
    Beijos

    ResponderExcluir
  41. Oi Lucia!
    A história é linda.Deixa-nos presa, pesquisar toda a familia.Sei que minha avó era brasileira, nunca soube nada sobre a familia do lado paterno,somente que era de Belem do Pará,morreu no ano anterior ao meu nascimento daí já ser impossivel haver ligações.
    Estão lindas as fotografias.Parabéns.
    Até breve
    Herminia

    ResponderExcluir
  42. Boa noite amiga
    que lindas fotos. Gostei por demais deste maravilhoso post.
    Tenha uma linda Noite, coberta de muita paz e alegria.
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  43. Oi Hermínia, eu desconhecia essa minha característica de "prisioneira"..rsrs
    Que bom, que consigo prender voce, alguém
    mais já disse o mesmo. Gosto de pesquisa de
    família. Não tenho tido muitas dificuldaes,
    meu pai deixou meio caminho andado. Pesquisar
    a sua deve ser mesmo difícil.
    Obrigada, amiga, pelo interesse e elogios.
    Beijinhos
    Até breve

    ResponderExcluir
  44. Olá, Maria Alice
    Seja muito bem vinda
    Obrigada, pela visita tão carinhosa
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  45. Olá Lúcia,
    Estou adorando cada vez mais ficar sabendo destas histórias, principalmente da forma como vc conta, é uma delicia de ler.

    Ah obrigada pelo comentário. Vou ficar esperando quando sua nora estiver grávida p registrar.

    Beijinhos e bom restinho de semana!!

    ResponderExcluir
  46. Olá, Claudia, esta história história vai continuar, agradeço, o interesse e carinho.
    Vai demorar um bocado, a gravidez, primeiro
    vem a formatura, daqui a um ano....
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  47. O Fanzine Episódio Cultural é um jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído gratuitamente no sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um artigo sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, livros, curiosidades, folclore, saúde, Teatro, cinema, revistas, fanzines, música, fotografia, mini contos, poemas, etc.
    Contato: Carlos (editor)
    machadocultural@gmail.com
    SKYPE:Tarokid18
    MSN: machadocultural@hotmail.com
    http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
    VEJA O FANZINE EPISÓDIO CULTURAL NA FEIRA DO LIVRO DE POÇOS DE CALDAS 2011
    http://www.feiradolivropocosdecaldas.com.br/

    ResponderExcluir
  48. Lúcia:
    Lá que é gostoso sentar-me e gozar esta sua sala de visitas... realmente é...!
    Que tem aqui muito para ver e muita cultura... lá isso tem!
    Mas Lúcia... cada dia que Deus nos concedeu tem 24 horas e tenho que dormir algumas horinhas, pois de contrário vou ao chão...!
    Mas volto, acredite que volto.
    Gostei de cá vir
    Amanhã vou a Sintra.
    Bj

    ResponderExcluir
  49. Lúcia, que peça esse Dendé, hein?! Nem o filho escapou à sua sanha... E que ego monumental! Tomara que você encontre as demais atas escritas por Cascudo que, provavelmente, levam ainda mais longe as cruéis peripécias do brigadeiro. Estou cada vez mais curiosa! Até onde mais ele foi capaz de chegar pelo dinheiro e pelo poder...

    Gostei de ver as fotos, amiga. Um importante registro histórico. E adorei de vê-la em uma delas. Você está muito bem.

    Sigo acompanhando suas publicações.

    Bjs, querida. Bons dias para você. Inté!

    ResponderExcluir
  50. Querida Lucia..foi um prazer recebe-la em meu blog.
    Espero ve-la muitas vezes por lá.
    Viahjo abado. Estou na correria. e confesso que não li a sua postagem, vim agradecer.
    Mas assim que e eu voltar. te visitarei com tempo!

    Um beijo. minha nova amiga..estou te seguindo..
    Ma

    ResponderExcluir
  51. Querida Lúcia
    Essas viagens nos transportam junto com você para o interior dessa Saga. Embora, nem sempre possa passar por aqui e deixar coment., quando venho me delicio com as histórias e imagens.
    Parabéns mais uma vez querida amiga.
    Beijos e muita paz.
    Rosa

    ResponderExcluir
  52. Olá Lúcia, passar por aqui, ver seu trabalho sua expedição em busca reconstituir histórias é gratificante.
    Parabéns pelo empenho, pelas fotos inclusive a sua.
    Bjim,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  53. Agradeço a Fanzine Episódio Cultural
    pela comunicação.

    ResponderExcluir
  54. Obrigada, Maria, pelo agradável
    comentário. Tenho certeza que voce
    volta. Entendo, o cansaço, durma bem.
    Boa viagem, à Sintra.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  55. Olá, ju,viu só, como esse Dendé era
    mesmo terrível. Quando lí a primeira vez,
    estas actas, fiquei chocada. Preciso encontrar
    as outras tres. Obrigada,pelos elogios e incentivos...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  56. Tudo muito lindo e histórico...estou também passeando pela net e encontrando lugares maravilhosos ,cheguei até aqui e gostei,convido para dar um passei no meu blog,beijos

    ResponderExcluir
  57. Lucia
    Voltei para pedir oraçoes. Meu tio de 87 anos irmão de meu pai esta no hospital e teve complicaçoes. Precisou cortar uma perna. Estamos doloridos!
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  58. Ma, fique à vontade, volte quando puder.
    gostei de seu blog, lá irei sempre que possa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  59. Rosa, amiga, é sempre um prazer enorme,
    sua vinda aqui. Sua última postagem
    merece mais um BRAVO!!!! Sei de suas
    visitas e agradeço seu carinho...
    Beijos

    ResponderExcluir
  60. Dalinha, querida, esta saga que estou
    expondo é um "compromisso" com meu pai,
    dei continuidade à sua busca, na história...
    Obrigada, um cheiro!

    ResponderExcluir
  61. Juntarei, as minhas orações, aos
    demais, Moniquinha. Desejo que logo
    o tio se restabeleça e volte ao convívio
    da família.
    Forte abraço

    ResponderExcluir
  62. Obrigada, Maria Selma, por ter paasado
    por aqui...logo, lhe farei uma visita.
    Beijos

    ResponderExcluir
  63. Tenho 70 anos de idade, e quando criança ouvia minha mãe falar a respeito de Dendê Arco Verde e suas prozes, e fatos que ocorreram em Tamatanduba no lugar chamado ladeira das varas, que minha mãe chamava ladeira do suspiro, e até fui lá para conhecer o local, mas na época era uma mata muito fechara não sendo possível penetrar no local. Lendo o livro de Cascudo me veio a lembrança das historias que minha mãe contava.

    ResponderExcluir
  64. Olá ! familiares de André de Albuquerque Maranhão, vocês precisão resgatar o nome do verdadeiro herói e marte de fato e de direito do cunhau, que foi esse grande patriota da revolução de 1817, formando um governo republicano provisório em nosso estado, esquecido pelas autoridades da republica brasileira, e do Rio Grande do Norte.

    ResponderExcluir
  65. Olá ! familiares de André de Albuquerque Maranhão, vocês precisão resgatar o nome do verdadeiro herói e marte de fato e de direito do cunhau, que foi esse grande patriota da revolução de 1817, formando um governo republicano provisório em nosso estado, esquecido pelas autoridades da republica brasileira, e do Rio Grande do Norte.

    ResponderExcluir