quinta-feira, 27 de junho de 2013

BARREIRA

Do CEARÁ: cidades de A a V  (XXIV)
BARREIRA ..."terra do solo vermelho"..."terra do caju"...
No final do século XVII chegaram, em "terra do solo vermelho", Félix Rodrigues da Silva e sua esposa Clara Rodrigues da Silva, acompanhados de Antônio de Oliveira e sua esposa Ana Maria de Oliveira. Atraídos por terras desabitadas e férteis, instalaram-se no lugar, constituindo rapidamente um povoado denominado Riacho Fundo que é onde hoje se situa Barreira e que antes recebeu o nome de Bom Futuro e, em 1901, passou à categoria de vila com o nome Vila de Barreira Vermelha, por ocasião de sua fundação.
O nome Barreira Vermelha, é fruto de uma história real. Originou-se de uma barragem que iria beneficiar o consumo de água da vila. Construída com barro vermelho, tornou-se ponto de referência e passou a ser identificada com esse nome. Após 30 anos da fundação da Vila de Barreira Vermelha, esta tornou-se Distrito, destacando-se significadamente pelo crescimento cultural e econômico com a expansão da agropecuária e acentuado cultivo do CAJU e da mandioca. Em 1938, o Decreto-Lei nº 448 modifica o nome Barreira Vermelha para, finalmente, BARREIRA. (Fonte: site da Prefeitura Municipal de Barbalha-PMB).
BARREIRA está situada no Norte Cearense, a 52 km de Fortaleza.
Igreja Matriz São Pedro Apóstolo.
À frente da Matriz,entronizado,a imagem do Padroeiro de Barreira.
Açude  do Córrego - Barreira- Ceará
Visto por outro ângulo, o Açude do Córrego, Barreira
A "terra do caju"...
Os sócios da Associação Comunitária de Barreira (ACB) , atuam no beneficiamento de caju em 20 mini fábricas da cidade de Barreira, no interior do Ceará. As atividades geram 800 empregos diretos e fomentam a produção sustentável, operando dentro dos princípios e conceitos do comércio justo. A ACB tem a capacidade de produzir até três toneladas de amêndoas por dia. Na perspectiva de melhorar as condições de produção e qualificar ainda mais o trabalho, tem elaborado diferentes projetos. Seus produtos estão em processo de certificação o orgânico e convívio justo. (Fonte: site Caatinga do Cerrado- dados de 2008).







Nas imagens acima, derivados de CAJU que se produz em BARREIRA.
....................................................................................
Poesia de Cordel, de um poeta BARREIRENSE...
ARI BANDEIRA, poeta, escritor, professor, nasceu em Bairreira.
Nessa foto, Ari Bandeira  autografando  livro seu...
O poeta Ari Bandeira participou do ENCONTROS LUSÓFONOS, 
promovido pela Universidade da Integração da Lusofonia
Afro-Brasileira (UNILAB), na X Bienal Internacional do Lvro
no Ceará, em 2012. (Clique, para ampliar a foto).
Cordel de Ari Bandeira, em homenagem ao "Rei do Baião", Luis
Gonzaga, publicado no Vendaval das Letras, em 03-11-2012...

I
Ó Senhor da poesia
Meu bom Deus da criação
Derramai sabedoria
E a luz da inspiração
Vou fazer uma homenagem
Ao nosso Rei do Baião
II
Gonzaga e sua sanfona
Cruzou sertões e agreste
E mostrou para o sulista
Que existe o Nordeste
Retirante do baião
Foi um bom cabra da peste
III
Do caboclo nordestino
Sempre foi um defensor
E cumpriu o seu destino
Como Deus determinou
Mostrando que no Nordeste
Tem riqueza e tem valor
IV
Gonzaga foi alegria
Para o povo do sertão
Animando as quadrilhas
Nas noites de São João
E no forró na vaquejada
Xaxado xote e baião
V
Na sombra do juazeiro
Gonzaga então cantou
Pra mostrar o seu valor
E no baião cintura fina
O mundo se encantou
VI
Pro caboclo lá da roça
Gonzaga foi cidadão
Denunciou as injustiças
Que imperava no sertão
Com muita fé e coragem
Cumpriu a sua missão
VII
E no santo São Francisco
Gonzaga ele tinha fé
E cantou a natureza
Na estrada de Canindé
Sob a luz da lua cheia
No sertão andando a pé
VIII
Gonzaga logo mostrou
A magia do baião
Que encantou o padre Ciço
Um homem que era São
E deixou enlouquecido
Os cabras de Lampão
IX
Gonzaga e sua sanfona
viajou por todo o mundo
Um humilde sertanejo
Nos deu orgulho profundo
E cantou pra Santidade
Papa João Paulo Segundo
X
Saiu lá do pé de serra
Lá da terra de Exú
Esse humilde sertanejo
Que partiu foi para o Sul
E mostrou que o Nordeste
Não é só seca e céu azul
XI
O triângulo e a zabumba
Dá o ritmo  e a marcação
O folejo da sanfona
Dá beleza e emoção
Quem não dança agarradinho
Não sabe dançar baião
XII
Esse tal de pancadão
Tá deixando o jovem louco
Eu prefiro o meu baião
Numa sala de reboco
Pra falar do Gonzagão
Um cordel ainda é pouco
XIII
Gonzaga o Rei do Baião
Sanfoneiro de primeira
Ele nasceu em Exú
Eu nasci foi em Barreira
Receba essa homenagem
Do poeta Ari Bandeira
*******
Fontes: Wikipédia; IBGE; site CAATINGA CERRADO; site da PMB; blog VENDAVAL DAS LETRAS. Fotos: dos sites e blogues citados e do google.

*******
Na próxima 5ª feira, estarei de volta. Abraços!

66 comentários:

  1. Lúcia,
    Vim pelo cheiro do caju...
    Que coisa boa é um caju bem maduro, bem cheiroso e o doce tipo ameixa ou cristalizado... de qualquer jeito o caju fica bom e as castanhas, nem me fale!
    Linda a foto deste "cajual" (ou cajueiral?) e linda a inspiração do poeta!
    Xêro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atrai de longe, esse "Xêro" bom danado...Tudo dele é bom, até a resina do tronco que a gente usava como "goma arábica". Torrar castanha no quintal, numa lata velha furada e depois quebrar...ah! que gostoso!Cajual, cajueiral, que importa, se é lindo!!! Esse poeta,é dos muito bons!
      Xêro!

      Excluir
  2. Cajueiro! No quintal da minha infância havia um lindo cajueiro... Fruta deliciosa e fonte de ricas vitaminas! Conhecer BARREIRA me fez reviver o meu brincar, colher a fruta e saborear saudavelmente!
    Bjs. Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha também, amiga! É muito rica e gostosa. Que bom, que Barreira trouxe lindas lembranças, Célia...
      Beijos!

      Excluir
  3. Olá Lucia...Bom dia com esta fruta bem colorida e bem gostosa que é o caju...
    Quanto a BARREIRA é mais uma bela localidade que adorei conhecer através deste seu post.
    Feliz fim de semana Lucia.
    Um abraço
    Albertina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma delícia, além de bonita! Obrigada, Albertina.
      Um lindo domingo e forte abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  4. Cada cidade é como se fosse uma pessoa onde nos reconhecemos como se fosse um parente tão profundas são as raízes de nossa colonização. Realmente, sente-se nessa cidade uma vibração de progresso , uma felicidade de um presente esperançoso. Belas plantações de caju que denotam isso, a industrialização operante, é bonito de ver.A Igreja é também diferente com uma arquitetura diferente da tradicional,você sabe a história de sua construção? A poesia do Ceará permanece com o seu poeta repentista e é a raíz de nossa brasilidade.Adorável cidade devia chamar-se Cajueiro.Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente assim, Guaraciaba.Todas têm as sua personalidade, peculiaridades e mais ou menos traços da colonização. Onde há cooperativas, o progresso é impulsionado. Além de Barreira,há outras cidades, no entorno, que se juntam para a cajucultura. Sempre busco a origem do orago mas nada consegui sobre essa, de São Pedro Apóstolo, nem no site da Paróquia. Cajucultura e Poesia de Cordel, representam bem Barreira.
      Bom domingo, amiga, com meu abraço.

      Excluir
  5. Eu que cresci a ver plantação de castanheiros, nunca tinha visto uma plantação de castanha caju, que eu - A-D-O-R-O - só que o preço aqui não é muito convidativo!

    Adorei conhecer a "terra do caju".

    Bom Fim de Semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem ao contrário de mim,Paula querida. Nunca vi plantação de castanhas portuguesas( se a elas que você se refere). Adoro-as cozidas. Só em Portugal, as comi assadas na brasa...DELÍCIA!!!. Tenho uma amiga, goesa, e mora em Lisboa, que quando vem aqui, é o que mais leva consigo. Obrigada, volte sempre. bom domingo!

      Excluir
  6. Olá Lúcia,
    Quando há cerca de 40 anos estive em Recife, por desconhecimento, mastiguei um caju verde que me queimou os lábios. Para alem disso, sou grande apreciador de castanha de caju. Gostei de conhecer esta linda Terra, bem como outros detalhes tão bem ilustrados por si.
    Meu abraço,
    Manuel Tomaz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Manuel!
      Ninguém lhe avisou, do travo da cica, do tanino. Que pena! Quanto mais maduro melhor.Às vezes, até caju maduro tem travo. Obrigada, por vir sempre.
      Forte abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  7. Olá Lúcia.
    Não gosto de cajú, apenas sou viciado.
    Quando chegar em casa, vou abrir mais um saquinho salgadinho e viajar por essa terra.
    Consigo o fim de semana começa na 5ª. Cedinho!
    E na varanda, olhando o mar, ouvir Luis Gonzaga e sua sanfona, cantando "Caboclo Nordestino".
    Vai ser bom.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sou, Xico. Adoro, até junto à comida, no almoço.
      Quando viajo (há muito não o faço), levo castanhas para amigos e familiares em Portugal. Quem sabe um dia levo 1 quilinho pra você, hem?. Luiz Gonzaga, VIVE! sempre...
      Obrigada, amigo, volte sempre e sinta-se à vontade!
      Um abraço

      Excluir
  8. Lúcia, menina, adoro castanha e suco de caju. Fiquei impressionada com a plantação em grande escala e o processo de classificação que vocês fazem. É bonito de ver e gera emprego. Uma verdadeira riqueza. Da próxima vez que eu estiver no Nordeste, vou trazer um sacão de castanha de caju pra casa. Aqui tem pra vender, mas custa quase o dobro. Trouxemos um saco de 1 Kg. Durou duas semanas. Engordamos felizes. :) Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa região, no norte cearense, na Grande Fortaleza e um pouco mais, é rica em cajueiral...As cooperativas dão um grande impulso gerando empregos, "prendendo" o homem ao seu torrão. Por incrível que pareça, a castanha não é tão barata, por aqui. A ganância, pelo grande lucro, é geral. É uma delícia, o caju e a castanha (esta, mais ainda!- é preciso moderação..rsrs). Beijos

      Excluir
  9. Olá Lúcia,
    Gostei de conhecer a plantação de castanha de caju e de ver esses frutos tão vermelhos e amarelos suspensos da árvore. Adorei conhecer BARREIRA e tudo o que se relaciona com essa "Terra de caju".
    Obrigada pela partilha.
    Um beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma coisa linda. Quando viajo pela Br 116, vou apreciando, o cajueiral...quando é tempo de caju, é a coisa mais linda, amarelos e vermelhos, quilômetros e mais quilômetros. Existem "Terras", do caju...
      Beijos, Maria Eduardo

      Excluir
  10. Oi Lúcia \o/
    Foi muito bom 'conhecer' a terra do caju...
    (E achei o máximo o cordel em homenagem a Luiz Gonzaga).
    bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo, Clau, fico feliz, que tudo tenha lhe agradado.
      Beijos!

      Excluir
  11. adorei conhecer a terra do caju

    e tão linda a planta e o fruto!

    beijinhos, Lúcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cajueiro, fez parte da minha infância.
      Adoro, tudo que vem dele, principalmente a beleza.
      Beijos, Manuela,
      da Lúcia

      Excluir
  12. Vendo todas as imagens e a sua descrição chego a sentir o sabor e o cheiro do fruto 100% brasileiro,100% nordestino.
    Abraço amigo,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você veio, Bergilde!
      Quem é cearense, esteja onde estiver, é atraída por essa delícia. Eu sei! Obrigada, vou lhe visitar...
      Abraço, querida.

      Excluir
  13. Gostei, Lúcia, gosto sempre.
    Esse Brasil é imenso, um dia vai mesmo acordar.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, AC!
      O Brasil, parece que começou a acordar...
      Beijo

      Excluir
  14. OI LUCIA!
    MUITO LEGAL TUA POSTAGEM, COMO SEMPRE, ME FAZENDO CONHECER, EU QUE SOU DO SUL,UM POUQUINHO DO NORDESTE E DE SUAS RIQUEZAS.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lani!
      Sempre gosto, do seu comentário. Adoro e conheço um pouco do Sul. Obrigada, por vir sempre.
      Abraços

      Excluir
  15. Querida Lúcia
    Desde que conheço o seu blog,ando num frenesim, de cidade em cidade,lá pelo Nordeste.Tenho que aproveitar,enquanto existe uma ótima guia ,que de tudo nos fala.Desta vez,fiquei muito satisfeita,porque,como gosto muito de dançar, vi aqui uma oportunidade para recordar o baião.
    As fotos são lindíssimas,principalmente as que mostram a planta do cajú.Eu nunca tinha visto,nem imaginava que assim fosse. Um constante aprendizado,no seu blog. Muito obrigada.
    Uma ótima semana.
    Beijinhos da
    Beatriz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Beatriz, que está lhe agradando tanto, esas viagens ao Nordeste. Ainda haverão muitas...vai até cidades com inicial V. Fico Feliz! Obrigada, por estar sempre presente e com maravilhosos comentários.
      Ótima semana, beijos,
      da Lúcia

      Excluir
  16. Minha queridíssima Lúcia!
    Estava me recusando a vir aqui correndo. Nessa cadeirinha é um sacrilégio dar uma passadinha rápida. Chegou aqui tem que esquentar lugar.
    Acabei de chamar o meu marido pra ver essa postagem e ele também ficou encantado.Dá vontade de fazer as malas, botar o pé na estrada e mergulhar pelo Ceará. Ô coisa maravilhosa, sô!(ainda chego lá.)Curtimos muito essa coisa de conhecer lugares fora do eixo tradicional turístico.As capitais são espetaculares, mas nos atrai esse contato maior com esse mundo que parece carregar mais a vida do povo local. Que coisa maravilhosa essa terra dos cajus! Amo cajus e troco qualquer brigadeiro por cajus cristalizados, acredita?
    Bom , comentário postagem não dá,né? Vou seguindo na cadeirinha , mas em outras paragens. Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guidinha, amiga querida!
      Eu sei que quando você vem é pra valer...aproveita "de um tudo" rsrs. Até compartilha com o maridão. Quanta honra! Façam as malas e venham, nas próximas férias. Quando viajo, vou exatamente aos lugares não turísticos, tem muito mais autenticidade do lugar.Venha mais vezes!
      Beijos!

      Excluir
  17. Lucia querida, que delícia de postagem...adoro cajú, tanto a fruta como a castanha. Vou muito à Natal e me delicio...beijos e até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Cláudia. Caju, ontem,hoje e sempre...castanha, então!hummmmm delícias...Adoro Natal.
      Até mais, beijos!

      Excluir
  18. Obrigadão mesmo Lúcia pelo caju!
    Lindo o fruto que não conhecia. Paisagens límpidas com um azul que só pode ser brasileiro num lindo canteiro vermelho.
    Sempre tão gratificante vir a tua casa
    Obrigada pelas tuas palavras Lúcia
    Beijinho grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, Manu! Fique à vontade, aproveite bem essa maravilha, que eu sei bem que é rsrs...Minha terra, é plena de Sol e de grande diversidade. Tenho "orgulho" de mostrar as suas belezas. Obrigada, amiga. Volte sempre.
      Beijos!

      Excluir
  19. Oi Lúcia
    Uma terra linda a sua ,hem? nosso Brasil tem lugares maravilhosos assim.
    E o caju é meio raro por aqui temos mesmo é o suco industrializado que também gosto mas o fruto quase não vejo _ gosto das castanhas também,
    Um excelente texto e adorei a partilha,
    abraços e obrigada pela presença na minha volta ,
    um bom resto de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim, muito linda. Como lindo é o seu Rio de Janeiro, que aprendi a amar pelos anos que lá passei, pelo encanto que tem. Caju e castanha, são delícias unânimes.
      Bom resto de semana, Lis. Beijos!

      Excluir
  20. Olá, querida Lúcia!
    Gostei do seu post sobre Barreira...
    Estou em férias pelo Nordeste e tenho conhecido/passado por alguns lugares que vc fala no seu blog...

    Gosto muito do Ceará/Fortaleza... Dê um pulinho no Vida & Plenitude e veja o que postei sobre a sua terrinha...

    Abraços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, minha querida!
      Já vi algumas maravilhas que você postou, mas vou volta, no Vida & Plenitude, para apreciar mais.
      Abraços!

      Excluir
  21. rsss, báh, na minha casa não pode faltar castanha de caju! Na hora do aperitivo, com vinho do Porto... lá está a castanha! Aqui, nos shoppings, há castanhas carameladas, salgadinhas, misturadas... nossa!! Adorei ler esse texto, Lucia.
    Lindo o cordel!
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que boa pedida, um Porto acompanhado de castanhas!
      É um par perfeito, também gosto. Castanha, é bom de qualquer jeito...O Cordel, é "massa"!
      Beijo, Taís. Obrigada!

      Excluir
  22. Mais uma visita...mais uma viagem....E como eu gosto de Caju.
    Por cá também há desses poetas....normalmente sempre bons....
    pois dizem direto, o que lhes vai na alma....
    Obrigado pelas suas palavras no Andradarte
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que bom que você veio, Andrade!
      Caju é bom, Cordel também...adoro-os...Quem não?
      As suas ARTES, cada vez mais belas, amigo!
      Obrigada, por ter vindo.
      Beijo

      Excluir
  23. Olá!
    Sem esperar começa o desenvolvimento num zona que confirmou e continua a confirmar as potencialidades de produção do caju tão admirado e apreciado em todo o mundo.
    suas postagens são maravilhosas, são belas e traz-nos o conhecimento.

    Abraço

    ag

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, AG, que bom que você gosta dessas terras.
      Obrigada.
      Abraços,
      da Lúcia

      Excluir
  24. Andar por aqui, ler, aprender e ficar a conhecer tantas coisas que nos vai contando é uma verdadeira aventura.
    Cada vez melhor.
    Deus deu-lhe essa graça e nós somos bafejados por ir colhendo os seus frutos.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que goste, Manuel.
      Obrigada, por vir sempre e com tão
      agradáveis comentários.Volte sempre.
      Beijo

      Excluir
  25. Boa tarde .....CAJUS EU AMOOOOOOO

    Hoje vim agradecer pela amizade
    deixar um elogio pelo post ,obrigado por estar sempre comigo

    Uma frase que gosto;

    Um verdadeiro amigo é alguém que pega
    a sua mão e toca o seu coração.

    ( Gabriel García Márquez

    Bjusss
    Rita!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Rita.
      Gosto de ir ter com você.
      Obrigada, pela linda frase com
      à qual concordo, do eterno sábio Garcia Marquez.
      Beijos,
      da Lúcia

      Excluir
  26. Olá
    Estive de férias daí a minha ausência e estas delíciosas postagens. Tanta riqueza de conhecimento não perco.Adoro cajú mas nunca vi uma planta!
    Obrigada pelas partilhas.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida amiga.
      Eu estive lá e soube das suas férias.
      Obrigada, por sempre e com belos elogios.
      Beijos

      Excluir
  27. Boa noite Lúcia!
    Adoro caju! Aprendi a gostar em Moçambique! Já sabia que " aquele feijão" vem junto ao fruto...só que nunca tinha visto. Gostei das suas referências à literatura de cordel.
    Parabéns!!! Pela partilha , obrigada!
    Uma boa semana.
    M: Emília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Maria Emília.
      O caju é uma das mais apreciadas frutas.
      Pois é, amiga, e é exatamente "aquele feijão", que
      chamamos de castanha é que o "verdadeiro" fruto do cajueiro. Adoro, literatura de cordel.
      Obrigada, por vir.
      Um abraço,
      da Lúcia

      Excluir
  28. Oi Lúcia!!!

    Espero um dia conhecer este lindo lugar!!! As plantações de caju são realmente belas e eu adoro castanhas de caju!!! Que belo post e a cultura do nosso Brasil, mas infelizmente tão triste a corrupção que destrói nosso País se não fosse esses desvios de verbas públicas o Brasil seria milionário e todos viveriam com dignidade!!! Apesar de tudo temos um lindo País!!!

    Boa semana!!!

    Bjs :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Venha, Bia que tenho certeza que vai gostar.
      Tudo isso é muito belo, mas existe uma grande mácula que é a situação atual do país, com tantos desmandos, tanta corrupção na vida pública, dos homens que deveriam dar o bom exemplo e fazer "funcionar" de fato a grande riqueza que possui. Obrigada, por vir e pelo comentário.
      Beijos

      Excluir
  29. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Antônio.
      Agradeço a sua vinda e o seu comentário.
      Já conheço, o seu O Peregrino.
      Um forte abraço.

      Excluir
  30. Adoro castanha de caju, que é caríssima aqui em Portugal. Mas o fruto, do qual vocês fazem sumo, só conheci quando morei no Brasil.
    Saudades do seu país.
    Beijinho
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ruthia.
      Só hoje pude vir responder ao seu comentário.
      Castanhas, são caras até aqui, que tem a rodo...há muita ganância, nos comerciantes. Só as castanhas, são exportadas.
      Obrigada, beijos!

      Excluir
  31. Lúcia, Querida

    Magníficas imagens do Caju; trazem saudades!...
    Adoro castanha de cajú. Salgadinha, então?...
    O teu Post, como sempre, historia mais um recanto (recanto?) desse imenso Brasil.
    É delicioso ler-te.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido SOL, que bom, ter você aqui, com seu sempre agradável comentário. Castanha, é ma delícia, de todo jeito. Estou mostrando o que considero importante.
      Obrigada, amigo.
      Beijos,
      da Lúcia

      Excluir
  32. Amiga, só uma vez comi um caju natural.
    No máximo, só suco de garrafinhas de supermercados.
    Amei o post.

    °º✿✿ Bom fim de semana com tudo de bom!
    °º✿ Beijinhos.
    º° ✿♥ ♫° ·.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui tem tanto, que se perde pelo chão....
      Venha Inês, comer caju ao natural. Final do ano, tem!
      Bom domingo.
      Beijos!

      Excluir
  33. Pondo leituras em dia cheguei até aqui. Sabe que eu também sou barreirense? É que a cidade onde nasci e onde pertence a vila de S. André, onde vivo atualmente chama-se Barreiro.
    Pena que aqui não haja caju.
    Um abraço e um Santo Domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Elvira, saber que aí tem Barreiro, é o nome anterior, aqui. inclusive está num mapa antigo, que aí mostrei. Venha cá, comer caju...a época é lá no final do ano.
      Bom domingo, abraços!

      Excluir