segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

UM SINISTRO, FEZ--ME RECORDAR....

...MINHA 1ª PROFISSÃO :
"fazedora" de tranças, ... de rede de dormir!


Em 1952, nossa casa da Rua Saldanha Marinho, no então bairro José Bonifácio, em Fortaleza, ficou pronta. Foi a 1ª casa que o papai mandara construir. Hoje, minha irmã Zélia Maria, mora nela, com o marido, filhas e netas. Mas, a original já foi modificada, foi feito um sótão, por toda a  extensão da antiga casa. 
Depois de pouco tempo, nosso bairro passou a chamar-se, Bairro de Fátima, devido à inauguração da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, na década de 1960, não tão próximo à nossa casa..."coisas" da prefeitura municipal.
Na mesma rua e em outras ruas transversais à Saldanha, como a Rua Assunção, haviam muitas fábricas artesanais de "rede de dormir". 
Tear, para fabricar tecidos de rede. (Foto: google)
Tínhamos uma vizinha, a Dona Margarida, que todos os dias passava com duas ou três de suas filhas, com uma porção de redes, inacabadas, sobre os ombros.Logo, de tanto eu observar aquele vai e vem de redes, interessei-me em saber porque as redes eram levadas e trazidas, todos os dias,  sem nenhuma alteração, aparentemente.
Curiosa, perguntei às meninas o que ocorria. 
Soube, então, que aquelas redes eram "apanhadas" para que se fizessem as tranças, nas extremidades do tecido, que fora feito em "teares" manuais. Para  fazer as tranças das redes, era pago um certo valor, por cada unidade.
Quando eu era criança, não havia rede colorida como estas da imagem, eram brancas ou de xadrez.
Na maioria das casas, principalmente no nordeste, há armadores nas varandas, onde as redes
ficam sempre armadas, para o descanso. (Foto: google).
Para quem  não conhece bem as "partes" de um rede, devo dizer que, após  a "feitura" das tranças, na parte desfiada do tecido feito no tear, passa-se os cordões grossos que serão unidos nas extremidades no que se dá o nome de "punhos". Serão esses "punhos" que serão enfiados nos 2 armadores, geralmente presos em paredes opostas. É quando dizemos que a rede está "armada" e já é possível se deitar nela...
Como eu só tinha 10 anos de idade, era estudante, pedí então à Dona Margarida para "trabalhar" para ela, depois de aprender o "ofício" de fazedora de tranças de rede de dormir.
Depois de algumas aulas, passei a fazer as tranças de rede com exímia habilidade, segundo a minha "patroa", sendo então remunerada para tal.
Considero esse, meu primeiro emprego: tinha um "ofício" remunerado. Naquele tempo, não havia Conselho Tutelar para a Criança e o Adolescente. Caso houvesse, certamente, a nossa vizinha, Dona Margarida, seria punida por "exploração de trabalho infantil".  No entanto, no caso, fui eu que pedi o emprego....queria ganhar um dinheirinho, para comprar as minhas bonecas... Não fiquei muito tempo fazendo tranças de rede, precisava estudar...eu gostava, de estudar...
Hoje, quando vou visitar minha irmã e vejo a Dona Margarida na calçada, paro junto ao muro de sua casa e temos travamos um bom "dedo de prosa", incluindo na conversa essa passagem, das tranças de rede...
Já não existem mais fábricas de rede por aquelas bandas...só no interior...

Neste início de Dezembro, em pleno "clima" natalino, como vem fazendo há alguns anos, a CDL ( Câmara dos Dirigentes Logistas),   a árvore composta por redes de dormir, instalada na Praça do Ferreira, no "coração" de Fortaleza, pegou fogo, em poucos minutos.  


Porém, a direção da CDL logo providenciou outra Árvore de Natal, igualzinha à árvore do "sinistro", que já foi inaugurada hoje. Soube, no noticiário da TV Verdes Mares que,  agora, tomaram precaução  para não ocorrer outro incêndio...
Assim, os fortalezenses ficarão mais tranquilos, aguardando a Noite de Natal. Todos dias, no início da noite,  nesse mês de dezembro, um Coral de Crianças entoa canções natalinas, nas janelas da belíssima edificação onde funcionou, por muitos anos o famoso Hotel Excelcior, na Praça do Ferreira...É o  chamado Natal de Luz do Ceará...


Enquanto não chega a Noite de Natal, vez em quando, vou "curtindo" uma gostosa sesta , numa de minhas indispensáveis redes...
Esta foto, como o vídeo, é  do ano passado...esta rede,
não é minha, estava armada na varanda de um restaurante,
em Natal...no Rio Grande do Norte....ou num outro local,
onde estive nas férias de 20010...




####################







Estou indo, mas eu volto, antes do Natal........Um abraço!


61 comentários:

  1. Oi Lúcia,
    Vendo você na rede, me lembrei de uma cantiga que mamãe cantava, quando contava uma de suas histórias... mas só lembro do estribilho:
    "Ô imbalança minina" (num tom bem arrastado - rsss).
    A rede, além de servir pra dormir, também embala, aconchega e enfeita. Qualquer varanda fica bonita com uma rede armada.
    Achei de grande originalidade, a árvore de natal feita com redes.
    Venho preparando (faz tempo) uma postagem sobre redes e já estava até esquecendo. Você me ativou a memória, qualquer dia eu ponho no blog.
    Adorei saber que você foi "tranceira de redes" (rsss).
    Um XÊRO.
    Estela

    ResponderExcluir
  2. Lucinhamiga

    Essa árvore é... fogo! Ou antes, foi. Está bem bonita com tranças e punhos e tudo, a tua descrição é magnífica, ensinou-me o que não sabia. Será que a Dona Margarida ainda tem um lugarzinho para um Portuga reformado?

    Estou nessa, a Senhora pode mandar as redes por imeile, eu reenvio e ela paga-me na mesma moeda. Ou seja, €. Real não, pode a Inspecção Geral do Trabalho apanhar-me com a boca na boti..., digo, com a mão na franja.

    Resumindo e concluindo: mais um excelente trabalho.

    Xeros da Kel e qjs de S. Jorge, Açores, para tu

    ResponderExcluir
  3. Lucinhamiga (II)

    Não sabia que tinha uma praça em Fortaleza...
    Xeros & qjs

    ResponderExcluir
  4. Muito original, amiga, a árvore de Natal feita de redes. Pena o susto, mas acidentes acontecem.

    Na minha terra não se costumava confeccionar redes. Não sei se devido ao frio, ninguém dormia em redes. As artesãs, normalmente senhoras já de idade, cardavam e fiavam lãs de ovelha e faziam bacheiros (uma espécie de manta grossa que se colocava sobre o lombo do cavalo, antes da cela, para não ferir o animal), palas e ponchos. Também faziam cobertores que ficavam pesados como chumbo. Mas esquentavam muito no inverno rigoroso.

    Você aborda no decorrer das suas lembranças, um assunto que considero muito importante: a questão do trabalho infantil. Ora, nunca vi nenhuma criança morrer ou ficar traumatizada por terem, ainda pequenos, assumido algumas responsabilidades e compromissos. Não digo serem exploradas, com carga acima das suas condições físicas ou quando o trabalho prejudique o seu estudo e os momentos para as brincadeiras e o lazer. O que se vê hoje? Meninas, já mocinhas que não sabem arrumar a cama que dormem. Crianças e adolescentes que não tem nenhum respeito pelos seus professores, sem valores morais e sem freios nos seus procedimentos.

    Talvez eu seja um dinossauro. Mas não me fez nenhum mal, pelo contrário, ter levado uns tapas da minha mãe e aprendido a ter compromissos desde pequeno.

    A propósito, e antes que me crucifiquem, criei o meu filho, hoje com mais de 30 anos, ensinando-lhe os valores da responsabilidade, e nunca foi preciso dar-lhe um único tapa. Mas é de pequeno que se torce o pepino.

    Um abração, amiga.

    ResponderExcluir
  5. Querida Lúcia

    Sabe uma coisa?I have a dream... e que é, armar uma rede e ver-me ali deitada tranquilamente a ler um bom livro, a ouvir música, enfim,num bom descanso. Mas, sempre que este pensamento me revisita, lembro-me logo do essencial, não tenho espaço para isso... :(, nem um cantinho ao pé duma janela, ou um jardinzinho.

    Agora que acabei de ler o seu post e de ver os videos e que fiquei a saber como são feitas,a variedade de cores, o material, a 'saudade' voltou...
    Achei originalíssima a ideia de fazer uma Árvore de Natal com redes, uma forma de as promover e de as dar a conhecer, pelo menos, a quem não é da terra.

    Adorei saber do seu primeiro 'emprego'. Acho que o meu primeiro 'emprego' foi de escritora, escritora de cartas de amor, teria uns 8/9 anos. A rapariga que encomendava os meus serviços (cartas para o namorado) era auxiliar numa Farmácia e então ela pagava-me com caixinhas vazias.Pelo caminho, perdi esta veia... :)))

    Minha amiga, desejo-lhe desde já um Bom Natal, bem como à sua Família.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderExcluir
  6. Lúcia

    Melhor profissão é estar-se deitado nas redes!...
    Belo e curiosa Árvore de Natal assim construída.

    Beijos

    SOL
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Essa árvore feita de redes é simplesmente sensacional! Criatividade a todo pano, para tentar um trocadilho.
    Eu adoro rede desde menina, o que na minha casa era um luxo, mas tivemos, sim. A que tenho agoro o vento faz de tudo pra que eu não use.
    O pessoal do norte e nordeste aparece aqui todos os anos com braçadas e carrinhos cheios delas.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  8. Lúcia, não resisti e vou colocar, com tua licença, essa árvore no meu bloguinho, citando teu blog. Realmente me encantei com ela.Abração.

    ResponderExcluir
  9. Lucia
    Que delicia ve-la contar sobre a rede e sobre a arvore de Natal.
    Eu já dormi em rede no Para. Fui passear na casa de uma familia muito bacana e lá a gente dormia em rede.
    Eu estranhei mas depois de uns dias acostumei.
    E que beleza de arvore?
    Amei!
    com amizade e carinho de Monica

    ResponderExcluir
  10. Estela (Boneca Mari)

    Esse "Ô imbalança minina" não me é estranho...

    A rede foi das melhores invenções indígenas. Adoro!... é linda, gostosa, fresca, perfeita!
    Quero ver logo, a tal postagem.
    Fui "tranceira de rede" sim, das boas, com grande orgulho rsrs

    XÊRO,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  11. Ferreiramigo

    No Ceará é assim: toda a gente é afogueada!
    A Dona Margarida, é um Patrimônio, da Saldanha, acho até que está se conservando com formol, tal é sua duração e jovialidade.Acho que já é trisavó, de um monte de mininos...só vendo!

    Obrigada, por tantos riquififes...Aproveite e veja no google quem foi o Boticário Ferreira.

    Nem acredito que ganhei qjs dos Açores!

    Xêros e redes pra Kel, tu e a cambada toda...

    ResponderExcluir
  12. Oi, Clovis, grande amigo

    O cearense até que é bom em originalidade. A rede
    deu panos pra árvore, ficou mesmo bonito!

    As cobertas e ponchos do sul são lindos. Rede aí, talvez no verão. Aqui, é todo o tempo, sempre.

    A questão do "trabalho infantil" , na lei, é tudo muito exagerado. Criança precisa apender a ser independente um dia e responsável. Com a gente, no passado, deu certo a educação dos nossos pais, agora é exploração. Existe limite
    a ser dado...

    Obrigada!

    Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  13. Querida Olinda

    O seu sonho pode ser realizado. Moro em apartamento e tenho "armadores" de rede até na sala de jantar.
    Quando soube do incêndio da "árvore de rede", veio-me a ideia de divulgar. Comecei a escrever e aí fui buscando mais elementos na memória e, na internet as "ilustrações". É que amo a minha terra e gosto de dizer o que ela produz do que julgo interessante. Adoro, uma rede pra ler, me balançar, descansar...

    O seu "primeiro" emprego lembrou-me o filme "Central do Brasil"...você assistiu?

    Bom Natal, amiga
    Beijinhos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  14. Oi, SOL

    Hoje posso me dar mais ao luxo de ter uma rede como a "melhor profissão"...tenho mais tempo, para estar numa rsrsr

    A árvore de redes, foi muito boa idéia...

    Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  15. Olá, Clarice

    Dormi de rede até mocinha. Nossa casa era pequena e não cabiam 6 camas para os filhos. A rede ocupa menos espaço, era a solução.
    No entanto hoje não consigo dormir à noite em rede. Sé me deito numa durante o dia, para ler, descansar, balançar rsrs

    Use e abuse, das imagens que desejar. Será um prazer.

    Beijinhos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  16. Oi, Lúcia..

    Primeiro, que Árvore Linda de Redes!, nunca havia visto!

    Enquanto lia sua narrativa não tive vontade que terminasse, tão gostosa a descrição...eu ri um pouco quando você "cismou" com as redes que iam e vinham...rs, adorei a criança curiosa em você.
    Também de sua própria vontade de saber outros saberes além do banco escolar e mesmo assim saber o quanto o estudo é importante...adorei essa narrativa.
    Sua rede colorida e Você, muito carinho de sua parte...
    Um Abraço,

    ResponderExcluir
  17. Lúcia muito querida,

    Boa noite!!!

    Adoro uma rede e em minha casa,em Barbacena,eu a pendurava(armava?)em um suporte de ferro,feito em uma serralheria...assim,podíamos levá-la para onde quiséssemos,no jardim,na varanda,dentro de casa ou até na cozinha...
    Amiga,que linda a árvore de redes,muito diferente de tudo que já vi!
    Agora,quanto ao seu primeiro "ofício",concordo com o que disse,as crianças deveriam poder aprender a fazer alguma coisa...morei em uma cidade onde as crianças aprendiam a fazer artesanato em couro e isto era e foi importante para o futuro profissional delas.

    Um "BRAVO",para sua história e um BRAVÍSSIMO para sua vida.

    Bjsssssss,

    Leninha

    ResponderExcluir
  18. Querida Lúcia,
    Foi bom aprender mais um pouco sobre estas redes de dormir que, segundo me parece, todo o brasileiro tem ! Não tenho e nem nunca me deitei numa.
    mas deu-me vontade de...descansar e ...vou para a minha cama...normal...
    beijinhos
    Verdinha

    ResponderExcluir
  19. Olá, Sandra.

    Que bom que pode conhecer uma Árvore de Redes e achá-la linda! Fico feliz!

    Sempre fui muito curiosa e ansiosa para aprender algo, estava sempre a buscar novidades.

    Obrigada, pelo carinho.
    Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  20. Leninha Querida

    Sei que mineiro gosta de redes, conheço muito mineiros e comprovo isso em suas casas...

    Reafirmando,digo que a criança está mais aberta à aprendizagem, aí o adulto deve aproveitar a motivação, o interesse. O trabalho só dignifica.
    Há que se evitar a exploração dos inescrupulosos, no trabalho infantil.

    Obrigada, pelos aplausos, sinto-me uma estrela especial rsrs

    Beijinhos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  21. Querida Verdinha,

    Experimente deitar-se numa rede, nunca mais a deixará "desarmada", ou seja, guardada...

    Todo brasileiro talvez não tenha uma rede, mas lhe garanto que todo nordestino(do Brasil) tem em média duas redes, em casa rsrs...JURO!!!

    Beijinhos, amiga
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  22. Quanta coisa legal aprendi por aqui! Adorei a foto da rede, coisa boa! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  23. Obrigado pela visita e comentário no meu blog Lúcia!

    É um prazer e gostei muito de conhecer o seu, com bonitas fotos e boa explanação de palavras. Vou seguir já! Prometo voltar até porque adoro essa região do Brasil!

    Rui

    ResponderExcluir
  24. Olá Lúcia

    Sou André fotografo.
    Sua historia é muito bonita , assim como as redes.
    Eu vi no jornal nacional e achei a ideia maravilhosa, criativa.
    Realmente as redes são lindas e pra tirar uma soneca é ótima.
    Ja sou seu seguidor.
    Parabéns.
    Quando puder visite meu blog, ficaria feliz com seus comentários.
    http://andretavaresap.blogspot.com

    Muito obrigado pela atenção.
    Abraços do amigo,

    André Tavares.

    ResponderExcluir
  25. Oi, Rui

    Seu blog é lindo e amo Portugal!
    Sua região é belíssima, me atraiu...que fotos maravilhosas, as suas. Os textos, completam!

    Obrigada, por suas generosas palavras.
    Volte sempre! Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  26. Olá, André

    Antes dessa resposta, fui visitar seu espaço:
    gostei, comentei, já me instalei e...voltarei lá!

    Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  27. Lucinha querida
    Como queria ter uma rede dessas, para dormir uma sesta! Acho-as lindas e, deve ser mesmo gostoso tirar uma pestana, nelas. Já me estou a ver, deitada numa, com um livro para ler, até o sono chegar.
    Beijinho, irmãzinha.
    Maria

    ResponderExcluir
  28. Achei muito interessante a árvore de Natal feita de redes, Aqui estamos sempre aprendendo alguma coisa.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  29. Todo amor verte de Deus. No fundo, todo consolo que você recebe deriva das mãos de Deus.
    Nada lhe chega de forma diferente, mesmo quando vem pelos outros. Na ajuda, o ajudador é o mais beneficiado.
    A energia amorosa, que expande, passa primeiro por ele antes de atingir o objetivo.
    Por isso, quando você ajudar alguém, não se orgulhe. Lembre-se de que Deus é que lhe dá essa oportunidade.
    Agradeça a Ele por isto. Faça o auxiliado saber que tudo o que recebe lhe veio de Deus. "...
    Hoje pesso que leia minha postagem por favor.
    Tem um mimo de Natal na lateral do blog caso você goste foi feito com enorme carinho para você.
    Uma linda tarde beijos no coração.
    Evanir

    ResponderExcluir
  30. Maria Querida,
    minha irmã portuguesa, quando eu for a Portugal,
    levar-te-ei uma rede, desde que me mande o seu endereço, na ocasião. Vá sonhando, que havemos de realizar...Gosto mais das brancas, com lindas varandas de croché.São as tradicionais, aqui no Ceará, ao menos que eu me lembre, quando ia a Baturité, com minha mãe e fica na casa das primas Furtado Bezerra...Já falei sobre isso em alguma postagem por aí...

    Ler, na rede, é uma santa delícia, Maria...

    Beijinhos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  31. Uma ideia linda,não é Élys...
    Obrigada, pelas generosas palavra!

    Um forte abraço, amigo
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  32. Obrigada, Evanir, pela bela mensagem.
    Irei, ver a sua postagem.

    Quanto ao "mimo", vou arquivá-lo com carinho.
    Peço que me desculpe não trazê-lo para aqui expor,
    muitos mimos, já me ofereceram, mas optei por guardá-los, com carinho.

    Um boa noite !
    Lúcia

    ResponderExcluir
  33. Adorei,
    Que bom que dividiu com a gente, um pouco da sua história, quem nao gosta de uma rede nao é?

    Bjos

    ResponderExcluir
  34. Bom dia,amiga querida!!!

    Que N.Sra da Conceição a abençôe e proteja,neste que é o seu dia.
    Bjssssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
  35. É sempre bom dividir histórias que tenham significado importante pra gente.Rede, é mesmo
    uma delícia, todos gostam, sim, Escritora...

    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  36. Bom dia, Leninha querida!

    Obrigada, minha amiga,pela bênção e proteção
    pedida à N. S. da Conceição, para mim. Peço o
    o mesmo a ela, pra você.
    Houve época em que aqui era feriado.

    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  37. Hoje vim trazer um convite especial.
    vá no meu cantinho comungar comigo da minha vitória da qual vc tbm faz parte.
    bjssssssssssss

    ResponderExcluir
  38. Lucia, achei a Árvore de Natal de rede linda e original. Graças a Deus não houve vítimas no sinistro e logo montaram outra. Seus posts me levam de volta as minhas origens e a minha gente.

    ResponderExcluir
  39. Que bom, Clívia, que "provoco" as lembranças de sua gente. Obrigada, pelo carinho.

    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  40. Cara Amiga Lúcia
    A sua primeira profissão me fez recordar a minha, tinha eu 14 anos, idade permitida pelas leis portugueseas para se poder trabalhar, e o fui como marçano, aprendiz de merceeiro e o fiz para ajudar minha saudosa mãe, passando eu a estudar à noite.
    Sobre essas redes bem conhecidas e usadas nesse seu belo país, sõ parecidas com as fabricadas na Tailândia que uso quando vou para a casa na aldeia no norte do país
    Pena foi que essa tão bonita árvore de Natal tenha ardido, mas a colocrama depois é igualmente linda
    Ontem aindei até cerca da meia noite tirando fotos das ruas enfeitadas aqui em Macau, o ano passado o fiz em Bangkok.
    Se entrar em meu parco blog poderá ver algumas fotos das ruas de Macau cheias de luz e cor.
    Feliz Natal
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  41. Lúcia querida,

    Quero marcar um encontro com você lá na arvore de redes, estou indo para Fortaleza no dia 28/12, passar o ano novo lá. Ou então marcamos um encontro no hotel. O que achas?
    Gostaria de te conhecer, por ser minha conterrânea, também por ser tão rica de conhecimento e ainda ter uma beleza de alma.
    Se concordar me mande um e-mail e marcamos tudo.
    Em relação ao que postou que belo resgate da nosso cultura.
    Um grande beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  42. Vamos marcar esse encontro, Lucimar.
    Pode ser na Praça do Ferreira, junto à árvore de rede. Vou ver seu mail e a gente marca dia e hora. Ou noutro lugar, como o hotel, na minha casa...

    Será um grande prazer. Obrigada, pelas doces palavras.

    Um beijo carinhoso,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  43. Cambeta, Poeta, respondi à amiga Lucimar, antes
    de você, por distração. Justifico: é que logo que li seu comentário fui ao seu blog e comentei lá.
    Portanto, devo ser perdoada rsrsr !

    Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  44. Gostei de ler sobre suas lembranças, e do seu primeiro "emprego". Gostei de toda a história e das fotos.

    Tem armador de rede na varanda do apt. Porém nunca coloco a rede.

    Obrigada pela visita.
    abraço

    ResponderExcluir
  45. É, há pessoas que usam os armadores de rede apenas como cabide, É uma pena, principalmente para quem é nordestina, como você, não ter uma rede armada,

    Obrigada, Paula, pela visita.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  46. Olá Lúcia.....
    Com grato prazer verifiquei que, de tão longe de Portugal, alguém se interessou pelo meu blog e decidiu segui-lo...
    Muito obrigada pela preferência.
    Na sequência dessa sua decisão acabo de conhecer o seu blog, por onde já andei a dar uma "olhadela" e na verdade do que vi gostei imenso e aqui estou decidia também a seguir o que escreve....´
    Não deixa de ser curioso que alguém de tão longe tenha decidido acompanhar o que escrevo, mas sobretudo por ser alguém originária de um país que eu adoro....
    Há mais de dez anos consecutivos que vou de férias ao Brasil e a última vez que estive nesse país maravilhoso foi precisamente em FORTALEZA, há cerca de 6 meses (em Junho de 2011).
    Já conhecia alguma coisa do Nordeste Brasileiro, mas ao Estado do Ceará nunca tinha ido e este ano, finalmente decidi ir a Fortaleza. Estive no CUMBUCO (Vila Galé) e obviamente fui visitar a cidade. Gostei muito.
    Um abraço Lúcia e tudo de bom para si..
    Aproveito para lhe desejar um Feliz Natal e que o ano de 2012 lhe traga tudo o que desejar.

    Albertina

    ResponderExcluir
  47. A árvore ficou linda.Eu fiquei encantada com a criatividade.Fazer redes é uma arte.Parabéns por este aprendizado e dom de fazer peças artesanais.
    Querida obrigada pelas palavras lindas, meigas e generosas que deixastes no meu Blog.Vieram para enfeitar o meu aniversario de doçura e amizade.
    Bjs no coração Eloah

    ResponderExcluir
  48. Muito bom que você tenha vindo, Albertina.
    Sigo mais de 1 dúzia de portugueses e número igual me acompanha. Considero meu país a continuação do seu, as afinidades são tantas!!!

    Também conheço um pouco de Portugal. Já lá estive por três vezes. Espero retornar em breve. Tenho alguns familiares de meu marido e uns poucos amigos reais, além dos virtuais.

    Seja bem vinda, à Cadeirinha, sinta-se à vontade!

    Desejo-lhe um lindo e feliz Natal e um venturoso Ano Novo.
    Beijinhos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  49. Obrigada, Eloah

    Gosto de trabalhos manuais, complementa os outros afazeres diários e "menos" prazerosos, aqueles que, de certa forma, somos "obrigados" a executar rsrs...

    Mais um abraço, pelo seu aniversário, e mais um de confraternização pelo Natal e chegada do Ano Novo.
    Volte sempre, é um prazer, tê-la aqui...

    ResponderExcluir
  50. Minha amiga o primeiro emprego fica sempre na nossa memória. Que ideia tão linda fazer uma árvore de Natal de redes de dormir, nunca me passaria pelo cabeça tal coisa. Que a Luz e o Espírito de Amor do Natal, consigam prevalecer nos nossos corações ao longo de todos os dias do ano, para seja sempre Natal.
    Boa semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  51. Que história contada hein...?? E que triste realidade....Até doeu aqui....Adorei os vídeos
    e também eu tenho uma rede daí....Mas quando o
    povo ama.... nada destroi seus sonhos.....
    Gostei daqui...
    Beijo

    ResponderExcluir
  52. Não se esquece mesmo, Maria, o primeiro emprego!
    A ideia da árvore é original, mas foi impensado que poderia causar o incêndio. Tanto que a 2ª é iluminada apenas pelas outras luzes da praça...

    Desejo-lhe um Santo Natal, se prolongando pelo ano vindouro.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  53. Antes de ser "tranceira" sou contadora de histórias, sempre reais. É, Andaade, com amor dá para suportar as dores e prosseguir sonhando...

    Obrigada
    Beijo

    ResponderExcluir
  54. Lúcia,tudo aqui é MARAVILHOSO!!!

    Ótima semana.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  55. Que GRANDE elogio, Raquel!

    Obrigada...boa semana!

    Beijos

    ResponderExcluir
  56. Olá Lucia,
    Gosto muito de vir aqui, pois encontro um recanto onde falas coisas de sua infância e tantas outras interessantes, o que me dá a sensação de já ter vivido num lugar assim e convivendo com as pessoas que você relata.
    É muito estranho isso, mas ao mesmo tempo, faz-me um bem imenso.
    Adorei o texto, as fotos e amei a árvore de Natal confeccionada com as redes. Ficou linda!
    Aqui no Sul quando é verão, como agora, aparecem
    os artesanatos do Nordeste e, entre eles, as redes. Cada uma mais linda que a outra. Infelizmente, eu não posso tê-las, pois moro em apartamento e não possuo espaço para colocá-las.
    Mas, na casa de minha filha, tem jardim e ela coloca as redes trazidas daí.
    Um grande beijo em seu coração,
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  57. Lúcia, quando vi o tear, logo me veio à lembrança uma senhora minha vizinha que era tecedeira( assim eram chamadas. Tecia mantas, passadeiras etc. Eu adorava essa senhora; era a minha 2ª mãe; quando morreu eu andava na quarta série e fiquei tão abalada que a professora me dispensou das aulas; passava a vida dela ao tear para ganhar o pão de cada dia, pois eram gente pobre. Deve ser um encanto essa árvore da Natal e ainda bem que a reconstruiram, pois acho interessante aproveitar esses materiais que identificam uma região para os enfeites natalíceos. Quanto ao emprego, eu também ajudava a srª Maria a cortar tiras de tecidos velhos para depois fazer as mantas e tapetes. As pessoas mandavam os " farrapos" para que depois ela os cortasse em tiras finas e assim fizesse as mantas; a miséria naquele tempo era muita, principalmente nas aldeias rurais e tudo era aproveitado. Claro que o meu trabalho não era remunerado, pois o que ela ganhava chegava mal para ela. Boas recordações, Lúcia. Obrigada. Um beijinho e até breve
    Emília

    ResponderExcluir
  58. Oi, Maria
    Sou uma eterna contadora de histórias, principalmente da minha família e de de minha cidade amada. Essas redes, para a árvore, foi realmente um grande inspiração.
    As redes feitas no nordeste tem grande aceitação.
    Aqui se usa o ano todo, devido à temperatura sempre quente, diferente do sudeste e sul.

    Obrigada, pelas palavras, sempre tão carinhosas.

    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  59. A imagem de um tear também sempre me reporta à infância. Esses tapetes de tiras de tecido aqui também costuma-se fazer. As mulheres mais pobres procuram esses trabalhos artesanais para uma renda que sustente a família.

    Obrigada, pelas palavras.
    Beijinhos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  60. Ando perdida nas suas memórias antigas de blogueira e é uma viagem maravilhosa.
    Acho que uma atividade assim, seja a fazer tranças de rede ou outro pequeno trabalho qualquer, enobrecem as crianças. Sim, poderia ser considerado trabalho infantil mas, no entanto, não a tirava da escola, nem atrapalhou a sua formação escolar. Muitas crianças sairiam beneficiadas de uma experiência assim e dariam mais valor ao dinheiro.
    Beijinhos, minha querida amiga
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir